Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




VOLTANDO A ESTE CASO ...

por Francisco Galego, em 05.05.17

Na coluna de opinão “Qualidade de vida”, sob o título “O MAL PELA RAIZ”, publicado, no Semanário “Expresso” de 29 de Abril de 2017, na página 17 do “Primeiro Caderno”, Luísa Schmidt chama a atenção para o problema da necessidade urgente de protecção do património florestal, assunto sobre o qual também já aqui escrevi, manifestando as minhas preocupações sobre esta questão.

A autora deste artigo refere, como exemplos, casos recentemente denunciados:

            - O arranque de centenas de árvores autóctones centenárias, no Parque Natural da Ria Formosa, no Algarve, para se construirem umas estufas, caso denunciado e interrompido pelas autoridades;

            - O anunciado arranque de mais de um milhar de árvores – pinheiros e ciprestes – no Parque Natural da Serra de Sintra, ao longo da estrada entre Malveira da Serra e a Lagoa Azul, alegando estarem velhas e doentes, embora os especialistas afirmem o seu bom estado, o que aponta para a ganância dos bons lucros com a venda das madeiras;

            - O brutal arranque de árvores na serra da Freita, em plena Rede Natura, que já fora flagelada pelos incêndios.

Perante isto, a autora do artigo interroga:

O que se passa em Portugal para que se continue a vandalizar o património florestal que ainda resta? Já não bastavam o fogo e as doenças. É também, a ganância, o abuso arrogante e a lastimável incapacidade da Administração Pública para cuidar do bem comum.

Refere também que “o Instituto da Conservação da Natureza... se mantém mudo e quedo” apesar das numerosas petições para salvação das árvores, contrapondo a  exemplar acção da Câmara de Arouca ao promover a reflorestação com espécies autóctones e lamentando a desproporção entre o muito pouco que se replanta e a enormidade do muito que se destrói.

Termina com uma tímida expectativa: Resta a ténue esperança dos movimentos cívicos que se têm oposto a toda esta destruição e só se espera que eles ganhem raízes, ramos e folhas.   

----------------------------------------------------------------------------------

Eu, porque às vezes sou tentado a pensar que, em vez de progredirmos, estamos a regredir, acrescento da minha lavra que deveríamos tomar em consideração o que é recomendado neste texto publicado no jornal “O Transtagano”, (PERIÓDICO DE INTERESSES MORAIS E ECONÓMICOS DA PROVÍNCIA), Elvas, nº 5, de 17 de Maio de 1860, ou seja, há 157 anos:

Arvoredos

“Se as câmaras municipais estabelecessem prémios para os plantadores e criadores de arvoredos, se mandassem plantar em todas as margens de rios e ribeiras… veríamos em breve melhorarem as condições e salubridade da nossa árida província…

À ilustrada câmara de Campo Maior recomendamos a Margem esquerda da ribeira de Caia e, sobretudo, a área compreendida na extensão das duas herdades denominadas as Godinhas, porque, pertencendo tais herdades ao município e arrendando-as a câmara em hasta pública, pode adicionar ao seu contrato a condição de arborização daquela margem da ribeira.”

Pois é! Muitas vezes o "Passado", pode e deve ser tomado como sábio mestre pelo "Presente".

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:03


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D