Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O CERCO DE 1801

por Francisco Galego, em 15.03.17

 

Na manhã 20 de Maio de 1801, apareceu por alturas da Cabeça Aguda a Quarta Divisão do exército espanhol que formou o sítio da Praça.[1]

A guarnição que se tinha preparado para resistir, ofereceu uma resistência porfiada durante 18 dias, sob o comando de Matias Azedo. Mas teve que se render porque dependia de Campo maior a tranquilidade do Alentejo e do Reino, uma vez que, enquanto esta praça resistisse, não cessavam nem se ultimavam as negociações de paz em Badajoz. Por outro lado, as forças sitiantes eram poderosas. Tinham submetido a Praça e a vila a forte fogo cruzado, colocando as suas baterias em pontos estratégicos:

- a 1ª na Cabeça Aguda entre o Nascente  e o Sul;

- a 2ª na Senhora da Saúde, a Nascente;

- a 3ª no Carrascal, a Norte;

- a 4ª e a 5ª a S. Pedro, Nordeste.

Após a rendição, a vila ficou ocupada pelos espanhóis, quase meio ano, tendo sido por eles evacuada no dia 22 de Novembro de 1801, data em que o comandante militar entregou as chaves a D. José Carvajal que delas tomou posse em nome do governo de Portugal e que ficou interinamente no governo da Praça até ao dia 8 de Dezembro de 1801, que foi quando o coronel Francisco da Fonseca Mexia, entrou nela com o seu regimento.

Não se descuidaram os moradores de Campo Maior de reparem as ruínas (provocadas pela 8.342 balas de canhão, 257 bombas e 1.217 granadas que caíram sobre a povoação): as suas casas foram em breve habitáveis. Mas a reparação não foi geral: São ainda hoje visíveis sinais de destruição na Igreja Matriz, no Convento dos Frades de São Francisco, nas Casas da Câmara e em alguns outros edifícios.

A Fortificação não foi prontamente reparada, nem era de esperar que, por longo tempo, o fosse. Porque em conformidade com o juízo que dela fizeram os inspectores encarregados de avaliar as suas capacidades de defesa em relação com o local em que estava posicionada e em relação à Campanha que a envolve.

Na sequência das inspecções que lhe fizeram, foi Campo Maior desguarnecida de artilharias, as suas portas ficaram sem pontes levadiças e as suas muralhas arruinadas pois dois grandes pedaços tinham sido derrubados pela artilharia inimiga, um entre os baluartes de São Francisco e de Santa Rosa e, no baluarte de São Sebastião o lado voltado para Ocidente.

 

NOTA 1:. No ano de 1806, quando na tarde do dia 14 de Abril de 1806, Sua Alteza Real o Príncipe D. João, Regente destes Reinos entrou em Campo Maior, foi testemunha ocular desta situação e ouviu a expressão dos ardentes desejos dos moradores da vila para que estes estragos fossem reparados.

Que diversa impressão não teria feito em seu coração esta visita se pudesse prever que a mesma seria uma despedida?

 

NOTA 2: Em 27 de Novembro de 1807 embarcou, para se retirar para o Brasil, a família real; em 29 largou do porto, tendo já entrado em Lisboa os franceses.

 

(João Mariano de Nª Sr.ª do Carmo Fonseca. In, Memória histórica da Junta de Campo-Maior ou História da revolução desta leal e valorosa villa, (Ed. António José de Torres de Carvalho, Elvas, 1912.

 

                                                                            

----------------------------------------------------

[1] Napoleão Bonaparte que assuimira o poder em 1799, como 1º Cônsul da República Francesa, decretou o Bloqueio Continental para impedir o acesso dos navios ingleses aos portos dos países da Europa. Manuel de Godoy que assumira um lugar preponderante na condução política do reino de Espanha, aliou-se a Napoleão Bonaparte. Portugal, sendo aliado da Inglaterra, não cumpriu a decisão tomada por Napoleão. Este cerco aconteceu no contexto da chamada Guerra das Laranjas. Tratou-se, portanto, de uma invasão para a conquista e submissão do reino de Portugal.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:40



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D