Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




II- ERMIDAS, IGREJAS E CONVENTOS DE CAMPO MAIOR

por Francisco Galego, em 04.11.16

 

A ERMIDA DE S. SEBASTIÃO

Aires Varela, cónego da sé de Élvas e vigário geral do seu bispado, no documento “Sucessos que houve nas fronteiras de Elvas, Campo Maior e Ouguela”, no primeiro ano da Recuperação[1] de Portugal que começou no 1º de Dezembro de 1640 e findou no último de Novembro de 1641”, escreveu:

Campo Maior, lugar de mil e duzentos vizinhos; tem o castelo e a vila velha, que é cousa pouca, situados em uma eminência superior a todo aquele território, bastante murado; mas a vila nova, que é corpo da povoação, está em plano aberto e sem defesa alguma.

O monte de S. Sebastião, que toma o nome de uma ermida deste santo nele fundada, fica a cavaleiro[2] da vila nova. Este lugar faz rosto[3] a Badajoz e Vilar del Rei, com cujos termos parte[4]ora por marcos ora pelo rio Xévora.

(...) Foi Matias de Albuquerque a esta vila; pareceram-lhe bem as trincheiras obradas[5]: ordenou no monte de S. Sebastião um valente baluarte que os daquela vila conseguiram com grande trabalho e gasto.

 

Esta notícia faz referência a uma das mais antigas ermidas da vila de Campo Maior. Na época referida no documento, o seu edifício original terá, provavelmente, sido substituido pelo que chegou até aos nossos dias e que está agora em processo de recuperação.

Foi nesta época e para preparar a defesa do país para a guerra que a Espanha ia iniciar para tentar recuperar o domínio sobre Portugal, que Campo Maior foi dotado de uma fortaleza que a tornou uma das mais importantes praças de guerra para defesa das nossas fronteiras.

Tendo S. Sebastião, pertencido ao exército romano, tornou-se um simbolo de referência para os miliatres. Daí a ermida se ter tornado capela militar, desde meados do séc. XVII até à desativação da praça de guerra, em meados do séc. XIX. A partir daí, foi votada a um abandono que chegou causar a sua  quase total destruição como ainda hoje podemos testemunhar.  

 

[1] Restauração da Independência

[2] Acima de

[3] Tem defronte

[4] Confina, faz fronteira

[5] Construídas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:05



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D