Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

 Ao longo da História da Cidade de Elvas e da História da Vila de Campo Maior, grandes nomes se destacaram na reconstrução da memória dos seus antepassados. Mas dois são fundamentais e determinantes quando se fala de História Local nestas duas comunidades: referimo-nos a Vitorino de Almada e a João Dubraz. Para além do seu interesse pela História, estes dois grandes vultos possuíam também, uma verdadeira paixão pelo jornalismo.

O primeiro, natural de Elvas, onde nasceu em 21-10-1845  foi, sem dúvida, o mais importante historiador desta cidade. O segundo, nascido em Campo Maior, em 21-01-1818, destacou-se não só na vida cultural da sua vila, mas também como um dos mais importantes colaboradores na imprensa periódica de Elvas, salientando-se como cronista do seu tempo, como activista político e como historiador da sua terra.

Todavia, a forma de participação que tiveram, tanto na imprensa nacional, como na local, foi marcada pelas suas formações e actividades profissionais. Vitorino de Almada, sendo capitão do exército e oriundo de uma família ligada à carreira das armas, evitava tomar partido nas lutas políticas que se fizeram sentir fortemente até perto de meados do século XIX. João Dubraz, pelo contrário, assumia-se plenamente como um empenhado activista político. Esteve preso em Elvas durante cinco meses, devido à sua participação num acto revolta militar, em 1847, na conjuntura revolucionária da “Maria da Fonte” e da “Patuleia”. Era um empenhado defensor de um liberalismo radical e um fervoroso partidário do regime repúblicano.

Mas, em ambos, deve-se, sobretudo destacar nas suas obras, o seu empenho na descoberta e na preservação, da memória histórica das comunidades em que estavam inseridos.           

No caso de João Dubraz, destacam-se  as «Recordações dos Últimos Quarenta Anos” de que - coisa rara naquele tempo - se publicaram duas edições: uma primeira em 1868, logo seguida de uma  segunda em 1869. Trata-se, sem dúvida, duma importante memória descritiva da Vila de Campo Maior, desde as suas origens até final dos anos sessenta do séc. XIX, com particular destaque para  a conjuntura das guerras peninsulares e para os factos e acções durante o período de implatação do Liberalismo na vila de Campo Maior. Como jornalista deixou ampla e diversicada coloboração em quase todos os jornais que, no seu tempo, se publicaram em Elvas e em alguns dos que se publicavam em Lisboa.

No que respeita à actividade como colaborador nos jornais, o mesmo caminho seguiu Vitorino de Almada. Uma parte considerável da sua obra foi também publicada em artigos em jornais como o Elvense, o Gil Fernandes e o Correio Elvense de que foi o redactor principal. Mas não pode deixar de se referir a obra que publicou de 1888 a 1895 - Elementos para um dicionário de geografia e história portuguesa -  que trata dos factos relativos ao concelho de Elvas e aos extintos concelhos de Barbacena, Vila Boim e Vila Fernando -  bem como O manuscrito de Afonso da Gama Palha, sobre a Guerra da Sucessão em Espanha, (Elvas, 1876); o estudo biográfico Francisco de Paula Santa Clara, (Elvas, 1888) e a obra Os quartéis- mestres, (Elvas,1890).

Eis, de forma abreviada, algumas notas sobre dois vultos e duas obras de referência na historiografia portuguesa, no que respeita à História Local: uma referida à vida na cidade de Elvas e outra, uma memória sobre uma vila, Campo Maior, ambas localizadas na zona raiana do Alto Alentejo.

 

NOTA: Este texto pretende ser um gesto solidário, de apoio à justa e necessária campanha que Jacinto César tem vindo a desenvolver em defesa da memória e da cultura da sua cidade. E foi elaborado com base noutro, postado por Arlindo Sena, In,

http://flama-unex.blogspot.com/2009/05/historia-local-ao-longo-da-historia da_6801.html

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:03


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D