Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




CAMPO MAIOR – NOMES DE RUAS ANTIGAS ( I )

por Francisco Galego, em 27.09.16

Em certos casos, podemos apontar, com relativo grau de certeza, uma explicação para os  nomes antigos e actuais das ruas do "núcleo histórico" da vila de Campo Maior.

A Rua da Canada e a sua adjacente Rua da Canadinha  deverão o seu nome a terem sido as vias destinadas à circulação dos gados quando entravam ou saíam das povoações, porque sabemos que, em tempos antigos, nomeadamente até ao século XVIII,  quando o pastoreio de gado ovino teve uma grande expansão, se chamavam canadas aos caminhos que desempenhavam essa função. Ora, no que respeita a Campo Maior, terá sido por esse tempo que esses dois caminhos se devem ter tornado ruas. Foi quando a vila, depois da tragédia do rebentamento da torre do paiol da pólvora, em 1732, teve de ser quase completamente reconstruída.

Na sequência da Canada estava a Rua da Fonte de Cima. As duas formam  hoje a Rua 13 de Dezembro. A da Rua da Canadinha, chama-se hoje Rua do Conde D'Ávila. Descendo-a e virando à esquerda chegamos à Rua da Fonte de Baixo, Talvez porque no fim das duas "ruas da fonte"  ficava a chamada  Fonte do Concelho que deu o nome ao forte que no seu lugar foi construido, quando a vila se tornou Praça de Guerra para defesa da fonteira, na Guerra da Restauração.

No seguimento da Rua da Canadinha fica a Rua de S. Francisco que, a meio, tem adjacente do lado esquerdo,  a Ruinha de S. António, cujos nomes testemunham a proximidade do antigo Convento de S. António, dos frades franciscanos, localizado no actual Campo da Feira, que teve de ser demolido para se poder construir, na nova fortaleza, a muralha e que liga os baluartes de S. Francisco e da Fonte do Concelho. No fim da Rua de Francisco, um pouco mais abaixo, ficava o Largo do Chafariz a seguir ao qual estava o Sítio da Poças. Este Largo do Chafaris, era assim chamado porque, quando foi construída a nova muralha que ligava o baluarte de S. Francisco ao Baluarte de Santa Rosa, foi aí construída  uma fonte para abastecimento da população; esta  alimentava um chafariz onde bebiam os animais e deste a água ia alimentar  um tanque para  lavagem de roupas que se localizava em frente, no sítio onde hoje está uma oficina. Seguia-se depois o chamado Sítio das Poças. A fonte foi posteriormente deslocada para o muro do Balurte de S. Francisco virado ao largo do Chafariz.

Do Largo dos Cantos de Baixo, partia a Rua das Pereiras, actual Rua João Minas que ligava ao Canto do Saquete e a Rua das Poças que terminava na  muralha, no chamado Sítio das Poças.

Voltando ao sector norte da vila...

A Rua da Carreira Detrás, depois chamada Rua do Norte, devia estes nomes à sua orientação geográfica e ao facto de, primeiramente, ser apenas uma rua com poucas ou nenhumas casas, geralmente cocheiras, oficinas e instalações de apoio à lavoura, nas traseiras do palácio do governador que tinha a sua fachada principal para o Largo da CarreiraRua da Carreira (correspondendo esta ao troço da actual Rua 1º de Maio, até ao cruzamento  com a Rua da Mouraria de Baixo e com a Rua Mouraria de Cima, (as quais podem dever o nome a terem sido, em tempos muito antigos, um arrabalde onde  vivim os não-cristãos, ou seja, judeus e mouros). O Largo  da Carreira e a Rua da Carreira eram assim chamados porque as diligências que entravam pela Porta de S. Pedro, (também chamada Porta Nova ou Porta da Carreira) iam aí descarregar e embarcar passageiros, correio e mercadorias.

A antiga Rua do Norte ou da Carreira Detrás, voltou a ser designada pelo povo, como a Rua da Carreira quando uma empresa de camionagem, a Vasco da Conceição Painho, no séc. XX, passou a ter aí a garagem donde partiam e onde chegavam os autocarros da carreira.

A Rua de S. Pedro, que ia da Carreira Detrás aos Cantos de Baixo e a Rua Direita que ia dos Cantos de Baixo até à Porta de Santa Maria, são nomes que em muitas terras designavam as vias principais das povoações que ligavam, segundo o eixo Norte-Sul, as portas principais, no caso a Porta de S. Pedro e a Porta de Santa Maria a que o povo sempre teimou chamar Porta da Vila

A Praça Nova, depois Praça de D. Luís I e depois Praça da República, foi construída após a  catástrofe de 1732 e originou  que à antiga praça, junto ao castelo, se passasse a chamar Praça Velha. Do nome desta resultava o nome da rua que lhe dava acesso pelo lado Norte, a Rua da Praça, que também se chamou Rua da Cadeia por ficar no cimo dela a prisão municipal. Esta terminava nos Cantos de Cima, em contraposição aos Cantos de Baixo,  a que se ligava pela  Rua da Misericórdia, a meio da qual ficava o Terreiro da Misericórdia devido a ser à antiga igreja desta instituição, ficar no meio do hoje chamado Largo Barão de Barcelinhos.

Ao troço da actual Rua 1º de Maio entre os Cantos de Cima e o cruzamento com a Mouraria de Baixo e a Mouraria de Cima, chamou o povo Rua do Tenente General. Seria por aí ter morado a figura grada do governador Estêvão da Gama Moura e Azevedo, que teve papel notável na defesa de Campo Maior, durante o Cerco de 1712. A meio desta rua fica o largo a que o povo chamou da Igreja Nova, ou da Matriz, por contraposição à velha Matriz que ficava dentro do castelo.

O nome de algumas ruas como  a Rua do Poderoso (o povo passou a dizer Rua de Pedroso), a Rua de Ramires, Rua de Cigano, Rua das Pereiras, invocam provavelmente o nome de personalidades ou de famílias notáveis da terra que nelas residiam. Já a Rua do Manantio, que o povo simplificou para Rua de Nantio, tem um significado curioso e que, devido à corrupção do nome original, se foi perdendo até se apagar por completo da memória colectiva. Manantio é uma palavra do mesmo radical da palavra manancial (originalmente manantial), que designava um local donde manava, brotava água, logo, uma fonte ou nascente. Talvez fosse o veio que alimentava as fontes do Concelho, das Negras  e a dos Cantos de Baixo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:05



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D