Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Tentando opor-se ao expansionismo dos exércitos de Napoleão Bonaparte, Portugal começou por participar, com uma divisão auxiliar, ao lado da Espanha contra a França, embora sem declaração formal de guerra. Mas esta campanha correu mal às armas peninsulares.

Seguidamente, a Espanha mudou de estratégia e aliou-se a Napoleão. Passando de aliados a inimigos, mudaram radicalmente de uma atitude colaboração diplomática, para uma declaração de guerra a  Portugal que foi invadido por um exército hispano‑francês através de uma campanha relâmpago que durou três meses, perdendo Olivença para a Espanha e a Guiana, colónia na América do Sul, para a França.

Portugal, nesta conjuntura europeia de conflito entre a Inglaterra e a França, procurou fazer aceitar uma posição de neutralidade, assumindo compromissos de circunstância, devido à falta de um aparelho militar forte e dissuasor.

Mas, Napoleão Bonaparte, na incapacidade proceder  à invasão das ilhas britânicas, devido à superioridade do seu poder naval, decretou um Bloqueio Continental, para impedir o acesso dos navios ingleses aos portos dos outros países da Europa. A este bloqueio só não aderiram a Suécia e Portugal.

Aproveitando a aliança com a Espanha, Napolão assinou com Manuel Godoy, primeiro‑ministro de Espanha, o Tratado de Fontainebleau, de 27 Outubro de 1807, no qual secretamente se combinava a conquista de Portugal e a sua divisão em três partes, em favor dos dois países conquistadores.

Em consequência deste acordo, Portugal foi sujeito a cinco invasões, entre 1801 e 1812, algumas desencadeadas pela Espanha, com o apoio político e militar da França, sendo outras, as de 1809, 1810 e 1812, de iniciativa exclusivamente francesa, tendo como chefes militares, .Junot, Soult, Masséna.

Lisboa era o objectivo principal de qualquer ofensiva externa. Daí que, o arco defensivo constituido pelas praças de guerra formado por Ouguela, Campo Maior, Elvas e Juromenha fosse muito importante pela sua situação geográfica no eixo Madrid-Lisboa, porque dificultava atingir directa e rapidamente o objectivo de alcançar a capital portuguesa  por  efectivos militares numerosos. Essa terá sido a razão de essa via não ter sido utilizada pelos franceses como eixo de penetração principal.  Os espanhóis tinham-no utilizado na "Guerra das Laranjas" de 1801, tendo daí resultado a perda de Olivença e a ocupação de Campo Maior em 1807.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:24



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D