Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A FORTIFICAÇÃO MODERNA DE CAMPO MAIOR

por Francisco Galego, em 05.04.16

Fonte: Bucho, Domingos  – Fortificações de Campo Maior; História, arquitectura e restauro. Portalegre.2002

 

Em termos de estratégia militar,  Campo Maior funcionou como um elemento de detenção e de vigilância face a qualquer tentativa de invasão pelo corredor Caia/ Xévora/ Guadiana.

 

Concebida a partir de 1641, a fortaleza de Campo Maior foi mandada construir por D. João IV que contratou para a sua execução vários engenheiros militares:

 

         - Jeronymo Roseti, contratado em 1641, engenheiro e militar,

provavelmente italiano, mas vindo de França;

         - Carlos Lassart, nomeado Engenheiro-Mor do reino em 1642,

trabalhou nos planos de fortificação;

         - Pedro Girles Sainte-Paul, outro engenheiro francês que veio com

Lassart em 1641;

         - João Pascácio Cosmander, jesuíta e matemático flamengo,

trabalhou a partir de 1643, nas fortificações de Elvas, Évora;

Estremoz, Olivença, Castelo de Vide e Campo Maior;

         - Nicolau de Langres, engenheiro francês, contratado em 1644 para

servir nas fortificações do Alentejo, permaneceu ao serviço de

Portugal po 16 anos. Vindo depois a colocar-se ao serviço de

Espanha e vindo a morrer no ataque a Vila Viçosa em 1662;

         - Pierre Sainte Colombe, engenheiro francês que trabalhou na defesa

do Alentejo a partir de 1648

 

         Na Guerra da Restauração (1641-1668), o Alentejo foi o principal teatro de guerra.

 

            As terras fortificadas na Frente do Guadiana foram: Elvas, Juromenha, Évora; Estremoz, Moura, Mourão, Olivença, Portalegre, Castelo de Vide, Marvão, Arronches, Ouguela, Campo Maior.

 

         No Norte: Almeida e Valença receberam as maiores fortalezas só suplantadas pela de Elvas.

 

         As fortificações com as suas "muralhas à Vauban" e com os seus baluartes, ligados por cortinas  e dotados de  canhoeiras e barbetas,  passaram a ter uma planta estrelada, diminuindo o efeito dos tiros dos sitiantes e diversificando o número e a direcção da artilharia da fortaleza.

 

         Campo Maior não sofreu qualquer assalto ou cerco nas Guerras da Restauração. Mas, no cerco de 1712 (Guerra da Sucessão de Espanha) verificaram-se várias fragilidades na defesa da praça:

 

         - O estar rodeada de pontos altos que serviam (de “padrastos”) para colocar baterias de ataque à povoação: Cabeça Aguda, Cabeço das Queimadas, Alto dos Moinhos, Alto de Santa Vitória;

 

- O construído Forte de São João Baptista, fácil de tomar pelos sitiantes, tornava-se um ponto privilegiado para atacar a povoação, daí ter sido demolido entre 1797e 1801.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:07



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D