Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


 

Tenho vindo, por consecutivas tentativas, a procurar dar uma amostra, necessariamente modesta, do valor literário e documental da obra de João Dubraz, escritor Campomaiorense do século XIX. Porém, julgo também de algum interesse dar a conhecer alguns aspectos mais significativos da vida do escritor.
Tenho a consciência plena de que este tema despertará muito fraco interesse, para grande parte dos leitores deste jornal. Mas, como, em contrapartida, alguns me têm manifestado entusiasmo pelas crónicas que tenho vindo a publicar, sinto-me na obrigação de corresponder aos que me dizem que gostavam de saber um pouco mais sobre esta questão.
Saber mais sobre o homem, torna-se bastante difícil porque, por um lado, ele foi muito parco a falar de si e da sua família; por outro, no seu tempo havia muito pouco quem pudesse escrever sobre um indivíduo que, ainda para mais, tendia a criticar os usos e costumes dos seus contemporâneos, na esperança utópica de assim contribuir para que eles se tornassem mais reflexivos, melhorassem os seus comportamentos cívicos, e as suas atitudes sociais.
No que respeita à sua família, tenho recolhido algumas informações de que já dei conta na crónica anterior. Muito recentemente, o Dr. Rui Vieira, correspondendo com amizade a um meu pedido, desencantou no Arquivo Distrital de Portalegre, um documento do cartório notarial de Campo Maior, Caixa 22, Livro 20, folhas 4 vº - 6, uma escritura de composição e partilha amigável que entre si fazem João Francisco Dubraz, sua mulher Ana Cândida Félix Dubraz, António Francisco Dubraz e Ana Rita Dubraz, todos de maior idade, moradores desta vila de Campo Maior, cuja partilha fazem dos bens do casal de seus falecidos pais Francisco Gonçalves Braz e Isabel Teodora de Vidal.
Por esta escritura ficamos a saber que João Dubraz tinha um irmão e uma irmã, ao que parece, ambos solteiros, devido a não serem acompanhados de cônjuges no referido acto. Podemos, mais uma vez, constatar que o nome Dubraz que adoptou como escritor, se tornou patrónimo de toda a família porque, mesmo o pai, que aqui ainda aparece referido como Francisco Gonçalves Brás, mais tarde, como já sabemos, aparece referido como Francisco Gonçalves Dubraz no assento de óbito do escritor.
Podemos também notar que as origens de João Dubraz foram relativamente modestas. Filho de um comerciante que amealhou alguns bens de fortuna, a mãe, bem como uma sua irmã, como ele próprio testemunhou nas suas Memórias …, não sabiam ler nem escrever. O facto de a mãe, ao contrário da mulher de Dubraz que já se situava noutra posição social, não ter adoptado o nome do marido, aponta também para uma condição relativamente modesta ou de fraco reconhecimento social.
A escritura está datada de 22 de Março de 1862, permitindo calcular que a morte do pai teria acontecido algum tempo antes, pois que, pela leitura da Memórias Contemporâneas, sabemos que sua mãe morrera em 15 de Agosto de 1858. A assinatura da dita escritura decorreu na residência de João Dubraz, na Rua da Misericórdia, onde seus sogros tinham residido e tiveram estabelecimento de comércio.
            Os bens patrimoniais referidos na escritura são:
João Francisco Dubraz, com assentimento de seus irmãos, toma posse plena e absoluta das três propriedades seguintes que eram de seus pais:
- uma morada de casas sita no Largo da Misericórdia (Terreiro) … compreende um pavimento térreo e dois andares superiores;
- um farrageal de oito alqueires de terra, ou seja, oito mil setecentos e doze centiares, sito em Vale de Elvas;
- um farrageal de cinco alqueires de terra, ou seja, cinco mil quatrocentos e quarenta e cinco centiares, junto às terras ditas do Forte (local do actual estádio de futebol) ;
Ana Rita Dubraz aceita de seus irmãos, como legítima paterna e materna, toda a mobília e roupas de casa de seus pais e seis sortes de terra na Defesa de S. Pedro;
António Francisco Dubraz toma a seu cargo todas as dividas do casal de seus falecidos pais, sustentará como seus que são doravante todos os compromissos, direitos e acções que pertenciam aos três herdeiros … para amortizar as aludidas dividas e liquidar a sua herança paterna e materna, os restantes bens móveis e imóveis do casal que ficam desde já sua propriedade. Obriga-se também a libertar, dentro de um prazo razoável, as propriedades que couberam a João Francisco Dubraz, as quais estão hipotecadas por dívidas que, segundo as condições deste contrato, ele António Francisco Dubraz aceita e reconhece como suas.
 
Apesar de não estarem declarados os bens móveis e imóveis que constituíram a herança que coube a António Francisco Dubraz (entre os quais estariam os que integravam o estabelecimento comercial que a família possuía no Terreiro), fica-se com a impressão de que os bens patrimoniais seriam razoavelmente avultados. Contudo, as dívidas e hipotecas referidas, parecem denunciar algumas dificuldades na fase final da existência paterna.
No mesmo Arquivo Distrital de Portalegre encontram-se várias outras escrituras de compra e venda de propriedades, entre elas algumas das que constam da referida escritura de partilha de herança. Nelas recolhemos a informação que o casal João Francisco Dubraz e Ana Félix Dubraz, foi progressivamente alienando vários bens imóveis do seu património familiar. Aliás, referências da fase final da vida do escritor, revelam algumas dificuldades financeiras do casal. O próprio Dubraz, por diversas vezes se declara pobre e tendo como recurso apenas os proventos auferidos com o seu trabalho como professor e como advogado provisional.
            João Dubraz casou em 10 de Outubro de 1847, com 29 anos de idade, com D. Ana Cândida Félix Dubraz, de 24 anos de idade, a qual era viúva de José António dos Santos, grande amigo de João Dubraz e que morrera prematuramente, devido a acidente com arma de fogo. Desse casamento nascera um filho, José António Félix dos Santos que veio a ser advogado muito conceituado em Elvas, onde fixou residência, mas que sempre manteve fortes relações afectivas com Campo Maior. João Dubraz tinha um carinho muito especial por este enteado que criou como se fosse mais um dos seus cinco filhos: Artur Heliodoro Félix Dubraz, que foi oficial do exército e viveu entre 1854 e 1925; Alfredo Constantino Félix Dubraz, que foi bibliotecário municipal em Campo Maior; Alexandre Herculano Félix Dubraz, funcionário público; Amélia Augusta Dubraz; Maria Joana Dubraz. Das filhas, apenas foi possível saber que Amélia Augusta casou com Benedito Cândido de Sousa Araújo, tendo, desse casamento nascido duas filhas: Alice Irene Dubraz de Sousa Araújo e Beatriz Dubraz de Sousa Araújo. Maria Irene casou com José Maria Eugénio de Almeida, 1º conde de Vilalva.
            Sabemos que o patrónimo Dubraz foi criado por João Francisco Gonçalves Brás que, ao tornar-se escritor afrancesou o nome por que era chamado em Campo Maior: João do Brás. Adoptou-o, primeiro, como pseudónimo literário e, depois, como o seu próprio nome. Podemos então supor que, todos os indivíduos que usam o nome Dubraz, poderão ser descendentes deste escritor campomaiorense.
            Fazendo uma pesquisa na Internet, foi possível verificar que existem poucos indivíduos e famílias que tenham incorporado no seu nome, o nome Dubraz e que estes se distribuem por vários pontos de Portugal, do Brasil e de mais dois países da América do Sul.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:59

                Pretendi, com os dez artigos anteriormente publicados, esclarecer, na medida do possível, os aspectos essenciais da vida e obra do escritor campomaiorense João Dubraz.

À partida, a tarefa não era fácil devido, por um lado, à falta de informações de que disponho e à falta de rigor de algumas das informações que pude utilizar. Por outro lado, porque o próprio João Dubraz – que tanto escreveu sobre Campo Maior e sobre tantas personagens da sociedade campomaiorense do seu tempo – foi extremamente parco nas referências sobre si próprio e sobre a sua família.
Entre as fontes disponíveis encontrei a assinatura de João Francisco Gonçalves Braz, em acta da Câmara Municipal de Campo Maior datada de 10 de Setembro de 1836. Numa outra acta, datada de 17 de Agosto de 1837, é referida a graduação, com efeito a partir de 2 de Agosto, de João Francisco Gonçalves Braz, como “capitão da Companhia de Artilharia da Guarda Nacional deste concelho”, estando a acta assinada por João Francisco Gonçalves Braz.
Mas, vinte anos mais tarde, em 9 de Agosto de 1856, começara então, a sua carreira literária o nosso escritor, escrevia-se: deferir o requerimento do actual tesoureiro dos órfãos, José Duarte Ferreira, em que este pede para ser exonerado do dito cargo de tesoureiro, em consequência de servir há mais de 12 anos e se achar já em avançada idade, nomeado para o substituir a João Francisco Dubraz ao qual fará entrega de todos os dinheiros e documentos que existirem em cofre…
Nessa altura, colaborara já em jornais de Lisboa e publicara o seu primeiro livro – Achmet. Por isso, aparece já referido no DICCIONÁRIO BIBLIOGRÁPHICO PORTUGUEZ, Estudos de Innocêncio Francisco da Silva aplicáveis ao Brasil e a Portugal. Lisboa, Imprensa Nacional. 1859. Tomo III, P. 377 e 378:
            João Francisco Dubraz – Comerciante estabelecido durante alguns anos na praça de Campo Maior, e hoje em Lisboa, para onde veio em 1858.
João Pessoa, em CAMPO MAIOR – Galeria de Figuras, explica a mudança de nome da seguinte maneira: “António Francisco Braz (nome que não está de acordo com o que consta no assento de óbito, como adiante veremos), com loja de comércio no Largo do Terreiro, tinha um filho a que os fregueses e amigos chamavam, de maneira carinhosa, o João do Braz, mas seu nome completo sendo João Francisco Gonçalves Braz.
Afastando-se da vida de caixeiro, não desejando a profissão paterna, o jovem, confiando muito na sua pessoa, lançou-se na carreira intelectual, dedicou-se às letras com o nome porque era mais popular na sua terra, mudando, no entanto, a preposição do para du e juntando-a ao apelido; o do Braz deu o pseudónimo Dubraz que adoptou e aos filhos legou como apelido afrancesado.”
Não o legou apenas aos filhos porque, também a mulher e o próprio pai, passaram a ser designados pelo apelido Dubraz.
No Jornal elvense A Voz do Alemtejo, nº 111, de 5 de Abril de 1869, aparece, numa pequena notícia, uma contrafé intimando António Francisco Dubraz da vila de Campo Maior para que entregue ao agente dos legados pios desta comarca a quantidade de dezassete alqueires e meio de trigo ou duzentos quarenta e sete litros e duzentos e dois mililitros, foro imposto num ferragial no sítio das Pias, da mencionada vila, de que ele, Dubraz, é enfiteuta…”
Depois de publicados os dez anteriores artigos, Rui Vieira, quando deles tomou conhecimento, teve o cuidado de me enviar a cópia do documento – que muito agradeço e que a seguir transcrevo – o qual vem trazer importante esclarecimento e rigor no que respeita aos dados biográficos de João Dubraz:
 
ASSENTO DE ÓBITO DE JOÃO FRANCISCO DUBRAZ
Aos vinte e três dias do mês de Setembro do ano de mil oitocentos e noventa e cinco, às dez horas da noite, numas casas da rua da Misericórdia desta freguesia de São João Baptista, concelho de Campo Maior, arquidiocese de Évora, faleceu sem ter recebido os sacramentos da Santa Madre Igreja, um indivíduo de sexo masculino por nome João Francisco Dubraz, de idade de setenta e sete anos, proprietário e casado com Dona Anna Cândida Félix Dubraz, natural desta freguesia, moradora na dita rua da Misericórdia, filho legitimo de Francisco Gonçalves Dubraz, proprietário, natural desta vila, ignora-se a freguesia, e de Isabel Theodora de Vidal, doméstica, ignora-se a naturalidade, o qual fez testamento, deixando filhos, e foi sepultado no cemitério público desta vila. E para constar lavrei em duplicado este assento que assino. Era ut supra. O pároco João Rodrigues Dentes.
 
Com isto a questão não fica encerrada. Melhor será pensar que é o que se pode escrever, no estado actual do nosso conhecimento, esperando que novos dados, revelados por posteriores investigações, possam trazer novas precisões. Repare-se na falta de coincidência entre o nome do pai na contrafé, no assento de óbito e no testemunho de João Pessoa. Como se vê, os registos sobre as pessoa eram, no século XIX, ainda tão pouco rigorosos que davam origem a estas confusões.
            No fundo, mais do que a pessoa, o que, sobretudo, nos interessa é o escritor. Por isso, encerremos este artigo com o que, sobre ele, foi escrito nonº 110 de A Voz do Alemtejo, de 18 de Março de1869:
“O Sr. Dubraz é demasiado conhecido dos nossos leitores. Nas folhas volantes do Transtagano, da Voz do Alemtejo e da Democracia Pacífica têm admirado os dotes do seu espírito, a clareza das suas ideias e a independência altiva, mas sempre nobre, do seu génio. O que nem todos saberão é que este incansável apóstolo das ideias modernas tudo deve aos seus esforços, ao seu estudo, à sua vontade de ferro. Atravessando épocas bastante tristes em que o repouso do espírito e o amor ao estudo eram incompatíveis com os acontecimentos que se sucediam e em que tinha de figurar pelas ideias que já fervilhavam na sua mente, o Sr. Dubraz ficou com a educação literária incompleta e, se não nos enganamos, apenas a instrução primária e alguns princípios de latim coroavam os desvelos de seus estremecidos pais.
Serenada a crise política que ele próprio descreve e na qual teve tão triste parte, pelas perseguições de que foi vítima, era-lhe necessário abraçar uma profissão qualquer. Força das circunstâncias ou talvez alguma predilecção o levaram a escolher a vida comercial. Aí empregava as horas, em que os fregueses o deixavam em paz, a ler e a estudar, porque a actividade febril do seu espírito se não casava facilmente com os ócios que proporciona semelhante modo de vida.
Parece-nos que foi ainda no estabelecimento comercial que escreveu o Achmet, conto de fadas fundado em lendas populares, livro que viu a luz pública em 1852 e que a imprensa acolheu como uma estreia auspiciosa e que nada desdizia dos artigos que por esse tempo o Sr. Dubraz publicava no Pharol de Lisboa.
Mais tarde conheceu que a vida do comércio não era a que melhor quadrava ao seu espírito e, abandonando-a, deixou a terra natal e se dirigiu para Lisboa.
Aqui, os leitores cuidarão que a ambiçãozinha de algum emprego ou nicho inspirou a resolução do Sr. Dubraz. Enganam-se. Foi aperfeiçoar a sua educação intelectual. Persistiu na capital algum tempo e, quando se sentiu com forças, apresentou-se candidato a uma cadeira de francês e latim, a qual obteve sem grande dificuldade atentas as provas do seu concurso.
Actualmente ocupa estas cadeiras em Campo Maior (sua terra natal), com geral agrado dos seus patrícios e não menos satisfação dos seus amigos pelos valiosos serviços que há prestado à mocidade campomaiorense.
E, como o seu espírito laborioso se não satisfaz simplesmente com o labor do magistério, ainda emprega o tempo que este lhe deixa livre em exercer o mister de advogado provisionário. A Elvas tem vindo mais de uma vez, advogar perante o tribunal judicial da comarca e o calor dos seus discursos prova de sobejo que não deixa correr à revelia a causa dos seus clientes.
E agora que satisfizemos o nosso desejo, esboçando alguns traços da sua biografia, falemos do livro que recentemente publicou.
As Recordações dos últimos quarenta anos são, como diz o seu autor, esboços humorísticos, descrições, narrativas históricas e memórias contemporâneas; mas não se julgue, por isso, que o livro é uma espécie de torvelinho histórico, em que os factos se amalgamam sem nexo, nem sistema; pelo contrário, a cronologia é fielmente observada na dedução e, não obstante o picaresco do humor, divisa-se lucidamente o escrúpulo e a fidelidade de quem escreve história em que o narrador tomou parte grande (…)
Em conclusão: o livro do Sr. Dubraz é um grande serviço e, ao passo que merece registar-se na história contemporânea, deve aquele livro, ocupar um lugar distinto nas estantes do estudioso.
Felicitamos o Sr. Dubraz pela importância do seu trabalho, pelos conhecimentos históricos de que dispõe e pelo modo como os expôs.”
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:02

 

Porque tenho plena consciência de que a minha afirmação de que considero João Dubraz “o maior escritor campomaiorense de todos os tempos” pode suscitar alguma desconfiança, dúvida ou incredibilidade, resolvi publicar esta série de crónicas com o objectivo de dotar os meus leitores da capacidade de opinarem a este respeito, de modo fundamentado.
Com as oito crónicas anteriores, procurei dar a conhecer alguns dados biográficos e bibliográficos sobre este autor que tanto continua a contribuir para o conhecimento da História de Campo Maior. Puderam os leitores ficar com uma ideia acerca do Homem e da sua Obra.
Pretendo agora dar a conhecer alguns trechos que considero mais significativos, quer pela sua beleza literária, que pelo seu valor informativo. Começo com este belo texto que retirei da 2ª edição das Recordações dos Últimos Quarenta Anos, páginas 5 a 8, nas quais João Dubraz retrata, com grande elegância de estilo, a vila de Campo Maior como ele, que nela sempre viveu, a descrevia há 140 anos.
Actualizei a ortografia e introduzi algumas notas explicativas que me pareceram poder facilitar a compreensão do texto.
 
Vila antiga e praça de armas, da província do Alentejo, Campo Maior demora três léguas ao norte de Elvas, três ao oeste de Badajoz, três ao sul de Albuquerque e quatro a leste de Arronches.
O terreno onde está assente a povoação é alto ao Sul, baixo a Leste e Oeste, erguendo-se um pouco ao Norte. Sobranceiro a todos os lados da vila, na extremidade sul, eleva-se o castelo, forte, vistoso e imponente. Respectivamente às cercanias a praça é baixa e dominada por muitos cerros[1] a Leste, Norte e Oeste, na distância de mil a dois mil metros, o que constitui a sua defesa difícil e perigosa.
Pelo recenseamento geral[2] verificou-se que a população tem quase seis mil almas, volume importante aglomerado e comprimido num espaço comparativamente pequeno. Portanto, sendo certo que não é a mais extensa das vilas do Alentejo, é decerto a mais populosa, porque nenhuma tem tal número de habitantes dentro de muros.
São edifícios notáveis o Castelo, os muros da Praça[3], a Igreja Matriz, a de São João Baptista, o Depósito de Víveres[4] e os Paços Municipais. Entre as construções particulares sobressaem a casa dos Carvajais, a de Albuquerque Barata, a de João de Mello[5] e outras. Em geral, os prédios da vila, com excepções não raras, são pouco elegantes e o aspecto da povoação, conquanto que as ruas sejam regulares, deixa muito a desejar aos que lhe procuram aumentos.
A vila é abundante de água potável e os campos adjacentes, ainda que um pouco secos, são férteis e bem cultivados. Nota-se porém, durante o Estio, uma zona quase circular que tem de diâmetro alguns milhares de metros, cujo centro é o povoado, onde a vista quase só pousa sobre pés de plantas devastadas pelo ceifeiro. Como contrasta então este terreno árido, queimado pelo sol e pelo fogo, repugnantemente feio e incómodo, com os tapetes luxuriantes de verdura e semeados de papoulas que brotam no Inverno e se alindam na Primavera!
O clima é áspero pela deficiência de arvoredo que só abunda a dois e mais quilómetros dos muros[6]. No Inverno desce o termómetro a uma temperatura bastante baixa, elevando-se no Estio a ponto de se tornar o calor quase insuportável. O Verão é pois ardente e feio, o Outono temperado e agradável e o Inverno muito frio mas com dias tão suavemente deleitosos como os que se podem desejar na Primavera. Esta é irregular, ora fria ora quente, ora ventosa ora húmida, sendo as menos vezes as que se diz lhe serem próprias, isto é, suave e amena. Os belos dias de Campo Maior são quase sempre em Janeiro: nesses dias excepcionais o sol resplende sem deslumbrar e o calor dos seus raios, tépidos e voluptuosos, vem tocar-nos com a sensação castamente perfumada de um beijo de criança.
A gente é laboriosa, apaixonada pelo luxo do trajar, um pouco altaneira e imprevidente, geralmente bondosa e tratável. A educação pública e a polícia carecem todavia de cuidados que se não podem preterir.
Essencialmente agrícola, a povoação alimenta-se da uberdade da terra e só dela. Se a agricultura não constituiu exclusivamente outrora o lavor diário dos campomaiorenses, é hoje, e vai continuar a ser, o mais valioso recurso para que podem apelar. Exporta muito trigo, legumes e azeite e, tendo o cultivo da vinha assumido nos últimos anos proporções inesperadas, as bebidas alcoólicas constituem já um grosso rendimento. Também exporta lã e alguma laranja.
------------------------------------------------------------
É pouco notável em antiguidades o concelho de Campo Maior. O recinto ameado do castelo, o muro de uma albufeira romana ou mourisca[7], a capela do Salvador, junto ao Xévora, a Praça de Ouguela e alguns alicerces de procedência duvidosa, são por ventura as únicas antiguidades que podem, por agora, motivar investigações arqueológicas.[8]
-----------------------------------------------------
Indústrias novas não se têm criado e apenas se pode dizer que certas necessidades, provenientes do progresso da agricultura, foram remediadas. Nessa consideração tenho a construção de duas fábricas de destilação e alguns lagares de moer azeitona.
Os habitantes de Campo Maior são laboriosos, como já se disse, especialmente os camponeses. Em parte alguma está tão garantido o trabalho braçal e não há país onde a existência da máquina viva e pensante de arrotear a terra seja mais cómoda e segura, enquanto lhe não falecem as forças para o trabalho. Vive, porém, tão descuidosa e imprevidente, que a ideia de futuro não lhe imprime a menor ruga. Lida enquanto pode; depois esmola e esmola sem azedume (observa-se), como quem cumpre um fado, a que não há que resistir nem obstar.
Se um dia essas consciências rebeldes de moços arrogantes, que hão-de tornar-se velhos abatidos, pudessem abrir-se à razão, se cada um desses mancebos de constituição atlética, que porventura reputam eternas as forças da juventude, pudesse ser levado a poupar quarenta réis por semana ou, ao menos, cinco réis por cada dia de trabalho, essa quantia tão pequena bastaria para enriquecer o montepio que lhes assegurasse o pão da velhice.[9]
-----------------------------------------
Tal é a minha terra. Os que a conhecem não rejeitarão o quadro. Os que apenas ouviram falar dela, se lha pintaram diferente amigos ou inimigos, podem, se me quiserem crer, rectificar os seus juízos.
 
 

 


[1] Cerros = montes ou cabeços. O autor refere-se aos seguintes: Cabeça Gorda, Alto das Queimadas, Cabeça Aguda; Alto de Santa Vitória e Alto do Carrascal.
[2] Os dados demográficos referidos são do primeiro censo da população portuguesa elaborado de acordo com os métodos preconizados pela Estatística, levado a efeito em 1864 e publicado em 1868 com o nome de Estatística Civil. (Dic. Hist. Port., Joel Serrão, Vol. V p. 241)
[3] Praça de guerra ou fortaleza.
[4] O “Assento dos Víveres de Boca” que o povo designa simplesmente por Assento.
[5] Na Rua das Pereiras ou de João Minas.
[6] Por razões de estratégia militar de defesa da praça de guerra, o arvoredo tinha sido eliminado nos terrenos em volta das muralhas e baluartes da povoação.
[7] O autor refere-se à Barragem do Muro, que está hoje bem estudada, sabendo-se que se trata da maior barragem conhecida, construída pelos romanos a sul do Tejo.
[8] Note-se que o autor refere a Capela do Salvador mas não a Ermida da Enxara, nem a ponte romana que lhe fica próxima. Provavelmente porque estariam em ruínas ou porque não fossem visíveis e identificáveis.
[9] De notar as preocupações sociais de João Dubraz numa época em que não existiam ainda quaisquer medidas de previdência social, nem leis definidoras de horários de trabalho ou de protecção dos trabalhadores.
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:06

 
Costa Cabral, governou o país, com mão de ferro e com forte apoio da rainha, desde o golpe constitucionalista de 27 de Janeiro de 1842 até ao início de 1846.
A grave crise económica que o país atravessava, agravou-se em 1845 com o mau ano agrícola que aumentou as dificuldades que a população suportava. Do ponto de vista político, os excessos do autoritarismo do governo congregaram na oposição um vasto sector político que colhia o apoio de miguelistas, progressistas e até mesmo cabralistas dissidentes, que não aceitavam a forma prepotente de governo imposta pelo de governo de Costa Cabral que, nesse mesmo, ano fora agraciado pela rainha D. Maria II com o título de conde de Tomar.
As revoltas populares levaram à queda do governo em 18 de Maio de 1846 e Costa Cabral teve de se exilar em Madrid.
Em Campo Maior dera-se o golpe militar de 24 de Março, em consequência do qual, João Dubraz fora constituído como administrador do concelho.
Mas a situação política manteve-se instável. O governo do duque de Palmela foi de curta duração porque, a 6 de Outubro de 1846,um golpe de Estado – a Emboscada – organizado do exílio em Madrid por Costa Cabral, dirigido por Saldanha, com o apoio da rainha, provocou a queda do governo de Palmela e a constituição de novo governo de cariz ainda mais autoritário e centralizador do que os anteriores governos cabralistas.
A situação política tornou-se insustentável e as forças de oposição juntaram-se de novo numa resistência determinada contra o cabralismo. Setembristas, miguelistas e cartistas dissidentes uniram-se na formação das juntas revolucionárias que culminaram na revolta da Patuleia (Outubro a Junho de 1847).
Mas, as potências estrangeiras acudiram em socorro do partido apoiado pela rainha. Esta intervenção determinou a derrota dos revoltados que, pela Convenção de Gramido (29 de Junho de 1847), consagraram a vitória do governo. Foram realizadas eleições em Agosto que deram a vitória ao partido de Saldanha e Costa Cabral
Em Junho de 1849 Costa Cabral regressou ao do país, assumindo a chefia do governo até ao golpe político militar da Regeneração em Abril de 1851.
Em Campo Maior viviam-se apaixonadamente estes acontecimentos.
 Logo a seguir à Emboscada, João Dubraz que fora de imediato destituído como administrador do concelho, foi preso e conduzido para Elvas: Às dez horas da manhã do dia 17 de Outubro de 1846, escrevia no meu quarto de dormir uma longa carta, quando repentinamente entrou meu pai e me disse pálido de comoção: É bem feito! Aí vêm prender-te!
Em baixo esperavam-no um oficial de diligências e três soldados. Outros tantos soldados esperavam com Epifânio Lopes da Mata, no Largo do Terreiro. Seguiram ambos presos até à casa do administrador do concelho, Vitorino, na Rua Direita, o qual lhes leu um ofício expedido de Estremoz, que ordenava a prisão de ambos e a sua condução a Elvas. Foram de seguida transportados para cadeia civil, tendo sido conduzidos pelo itinerário que desse maior exposição, a fim de que fossem publicamente expostos e humilhados: Rua Direita acima, Rua Nova, quartéis do castelo e Barreira. Foram prevenidos de que ao meio-dia partiriam para o Forte da Graça.
Pouco antes da hora marcada desceram da cadeia para a Praça Velha, onde estava formada a tropa. Saíram da vila pela “Estrada Velha”, a que partia da Porta da Vila. Os dois prisioneiros seguiam a pé enquadrados pelos soldados, os quais tiveram gestos e comportamentos tão estranhos que os dois prisioneiros se puseram de sobreaviso. Numa paragem de meia hora que fizeram junto ao Caia, dois soldados começaram a simular uma luta de baionetas, à laia de diversão. Mas a brincadeira foi-se tornando uma crescente provocação directa aos prisioneiros.
João Dubraz, com muita coragem e sangue frio, tinha conseguido conquistar a boa vontade do sargento, do oficial, bem como a de sua esposa que acompanhava o destacamento e mesmo a simpatia dos outros soldados. Isto valeu-lhes a pronta intervenção que acabou com a perigosa situação que lhes poderia ter custado a vida.
O sargento viria a confidenciar depois aos dois prisioneiros, que um mal intencionado, no castelo, antes da partida de Campo Maior, dera vinho misturado com pólvora aos soldados e mandara carregar com balas dezoito espingardas…
 Acabaram por não ir parar ao Forte da Graça mas à cadeia civil na qual entraram às sete horas da noite, no quarto de Nª Senhora do antigo Palácio dos Condes de S. Lourenço, onde iriam ficar pelo período de quase meio ano.
A situação no país continuava caótica. Na província do Alentejo só Elvas, Campo Maior e Estremoz obedeciam ao governo de Lisboa. Em Campo Maior, segundo as notícias que chegavam à prisão de Elvas, a situação era cada dia mais anárquica, pois o desmando autoritário dos novos governadores - o militar Abreu e o administrativo Vitorino – com a sua prepotência, punham tudo e todos em questão.
A situação geral era de guerra civil: a maior parte do território, estava com os patuléas e obedecia à junta do Porto. Contudo, todas as tentativas de confronto militar tinham resultado em vitórias do partido favorável ao governo e à rainha. Só em Março de 1847 foi possível às hostes revolucionárias, lançar uma vigorosa ofensiva contra as forças realistas.
A mudança da conjuntura política tornou possível estabelecer o plano de fuga que João Dubraz adiara enquanto entendera que a situação não era favorável aos seus intentos. Sabendo que os inimigos jamais o libertariam, porque isso equivaleria à confissão da sua estúpida tirania, achou que era chegado o momento de se libertar da opressão em que os tinham mantido por cinco longos meses.
A fuga teve lugar em 16 de Março de 1847. Estiveram escondidos em Elvas até 21 de Março, saíram disfarçados de valadeiros para passarem às Portas de Olivença, fortemente vigiadas. A primeira metade do mês de Março de 1847 fora fria e chuvosa; a terra estava encharcada e, a cada instante tínhamos que atravessar pântanos, onde nos atascávamos até ao joelho. Epifânio marchava com dificuldade devido a uma enfermidade que sofrera na cadeia e que o debilitava. Seguiram caminho pela freguesia da Ventosa, passaram perto de Santa Eulália, parando na Herdade de Almeida do lavrador colono Rasquilha que os ajudou com roupas, guias e cavalgaduras, seguiram pela margem direita do Caia até Arronches onde chegaram ao meio-dia de 22 de Março…
Pouco depois da sua chegada, tendo a cavalaria estacionada em Arronches saído para se apoderar de farinha nos moinhos do Xévora, no regresso, com os carros carregados do saque, tiveram um confronto com a cavalaria de Campo Maior. Neste combate, perto de Degolados, a 24 de Março de 1847, os cartistas de Campo Maior portaram-se muito mal. Assustados pela carga dos soldados da junta, fugiram em debandada largando as armas. Foram facilmente vencidos, apesar de serem em número de cento e sessenta e os contrários apenas noventa e sofreram pesadas baixas: cinco mortos, dezoito feridos e muitos ficaram prisioneiros em Arronches.
A Convenção de Gramido impôs a amnistia a todos os implicados nos acontecimentos dos últimos dois anos. Mas, em Campo Maior, os progressistas continuaram a ser considerados como uma espécie de partido fora da lei.
João Dubraz chegara então aos 29 anos e meio de idade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:02

Na continuação da tentativa de traçar o seu perfil biográfico,  volto à  figura desse grande escritor campomaiorense que assinava os seus escritos com o nome afrancesado de João Dubraz.
Nascido em Campo Maior, filho de António Francisco Braz, comerciante com loja no Terreiro, hoje Largo Barão de Barcelinhos, e de sua esposa Maria Gonçalves.
Embora sejam muito escassas as referências que nas suas obras fez a aspectos da sua vida familiar, há uma bem interessante sob o seu nascimento que, ao mesmo tempo que fornece algumas informações, nos permite apreciar a beleza e valor literário da sua escrita:
“…é hoje, dia de S. Sebastião, 20 de Janeiro…. Desde pequeno ouvi dizer sempre que, neste dia, no ano de 1818, depois da meia-noite, viera eu ao mundo. A tal respeito levantava-se às vezes entre mim e a minha pobre mãe uma questão grave: pretendia ela que, tendo eu nascido na noite do dia 20, nascera ainda no dia de S. Sebastião. Não queria contar os dias senão de sol a sol. Eu sorria-me. Conhecia-lhe o fraco de uma certa parcialidade a favor do mártir santo e, tão mal a ocultava ela que dizia muitas vezes: Apesar de muito devota de S. João Baptista, por minha vontade chamavas-te Sebastião, para que o santo te livrasse de bexigas. Posso dizer pois que, por um triz não fiquei Sebastião e, não obstante, bexigoso… Minha mãe, ah! Não existe desde o nefasto 15 de Agosto de 1858. Os meus primeiros anos são apenas recordações suaves, que começam a cobrir-se da névoa que precede a nossa transformação física.”
(Dubraz “Recordações...”`, 2ª edição, p. 33)
 
            Quase nada se sabe da sua infância. Apenas que aos dez anos já sabia ler e escrever, sinal de que teria frequentado as aulas que nessa altura eram ministradas na vila, embora não tenhamos referências sobre o tipo de mestres que as terão leccionado.
            Em 1835, com 17 anos de idade alistou-se, como voluntário, na Guarda Nacional de Infantaria de Campo Maior, tendo recebido as divisas de graduado no posto de anspeçada.
Numa outra referência feita na página 58 da mesma obra, dá-nos a indicação de ter estado em Lisboa. Decorria ao ano de 1836, João Dubraz tinha 18 anos, mas nada informa quanto à duração e às finalidades da viagem. Refere que foi ele quem trouxe para Campo Maior a notícia de que estava eminente a revolução que viria a eclodir no mês seguinte e que ficou conhecida como “o Setembrismo”, movimento liberalista radical a que João Dubraz aderiu apaixonadamente:
A vinte de Agosto cheguei a Campo Maior vindo de Lisboa; havia nessa noite teatro, ou antes, cantavam lá umas espanholas proximamente chegadas à vila. Dirigi-me logo ao castelo para encontrar os meus amigos, que me rodearam, como é costume nas terras de província quando alguém vem de fora, em tempo de excitação pública. Disse que em Lisboa se esperava que a 24 houvesse uma manifestação no Porto a favor da Constituição de 1820 e que a Guarda Nacional estava resolvida (asseverava-se) a secundar o grito do Porto. Estas notícias causaram certo entusiasmo, as plateias pediram que fosse tocado o hino de 1820… (Dubraz “Recordações...”`, 2ª edição, p. 58)

TEATRO DO CASTELO
No ano seguinte, com 19 anos, começou a sua actividade política. Como ele próprio diz, a política tornou-se a sua paixão e exclusiva ocupação:
            “Desde 1837 até ao presente, não houve acontecimento político em Campo Maior do qual me não coubesse alguma parte, directa ou indirecta…” (Idem, p. 34)
Numa acta de reunião da Câmara Municipal de Campo Maior datada de 17 de Agosto de 1837, consta que João Francisco Gonçalves Braz, (note-se que ainda usava o nome de baptismo), se tornou furriel da Companhia da Guarda Nacional deste concelho, que se encontrava em formação, tendo esta graduação efeito a partir de 2 de Agosto.
Mas a situação política agravava-se. Havia sinais de uma crescente revolta e indícios de preparação de golpes de Estado. O Setembrismo estava em risco de queda do seu governo.
Em Julho de 1837 rebentou a sublevação militar conhecida por Revolta dos Marechais … O governo mandou pôr a Praça (Campo Maior) em estado de guerra e, não havendo suficiente número de artilheiros, lembrou-se não sei quem da formação de uma secção de guarda nacional de artilharia para reforçar os soldados de linha... com vinte e um voluntários saídos de infantaria. Eu fui um desses artilheiros improvisados e obtive dos meus camaradas o galão de anspeçada. (Idem, p. 62)
 
Seguiu-se um período de grande confusão. Os Cartistas (liberalistas moderados) ganhavam terreno a nível eleitoral e a nível de apoio das populações.
Por outro lado, surgiram guerrilhas armadas que espalhavam a insegurança, atacando as povoações. Algumas aproximaram-se dos termos de Elvas e Campo Maior.
João Dubraz envolveu-se muito na busca e perseguição dos grupos de guerrilha, na condição de elemento da Guarda Nacional. Por esta acção a Guarda Nacional foi louvada por portaria do ministério do reino de 10 de Abril de 1839. Por portaria do ministério do reino de 14 de Junho do mesmo ano, foi a secção de artilharia louvada e João Dubraz eleito capitão.
Mas a feição setembrista da artilharia tornava-a suspeita e era considerada perigosa pelos adversários. Começava a desenhar-se a transição política do Setembrismo moderado para a restauração do Cartismo.
Em Junho de 1840, sendo ministro do reino Rodrigo da Fonseca, a artilharia foi dissolvida, passando os seus membros para a infantaria, menos João Dubraz que passou para a cavalaria. A guarda nacional tinha os dias contados. A Revolta de Costa Cabral lavrou-lhe a sentença de morte. O setembrismo foi derrotado e João Dubraz deixou de ser militar e passou para a oposição ao novo regime que saiu da revolução vitoriosa.
 A Carta de 1826 foi restaurada em 1842. Começava uma nova época que viria a ficar conhecida como o Cabralismo, pois que Costa Cabral, futuro conde de Tomar, foi a sua figura de proa.
João Dubraz, com a idade de 24 anos, era um jovem que começara a entrar na sua idade adulta.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:41


O CASTELO DE CAMPO MAIOR - IV

por Francisco Galego, em 03.03.08
O CASTELO MEDIEVAL DE CAMPO MAIOR (Segundo Rui Vieira)
         “Descrever as origens de Campo Maior e do seu castelo de forma fundamentada não é tarefa fácil.
São hoje bastante divergentes e muito inseguras as explicações dos que escreveram sobre os primórdios de Campo Maior e do seu castelo.
Quanto ao castelo, uns atribuem a sua construção primitiva aos romanos, outros aos muçulmanos. Há ainda os que dizem que a fortaleza foi mandada reedificar por D. Dinis sobre as ruínas da construção muçulmana. Outros ainda afirmam que quando Campo Maior ingressou na coroa portuguesa, em 1297, não possuía castelo e que este foi mandado erguer por D. Dinis, em 1310. (…)
(Os documentos de que dispomos) … “permitem-nos afirmar que o castelo que, com a sua torre de menagem e com pequenas alterações, se conservou até 1732, era muito diferente do actual (…)
A fortaleza representada nos desenhos (de Duarte De Armas) de inícios do século XVI era de planta rectangular, ocupava uma área de mais de 6 mil metros, dispunha de sete torres, uma das quais era a de menagem, de configuração quadrangular, com cerca de 100 metros de perímetro. A altura desta torre seria de cerca de 35 metros (…)
A muralha que nos primeiros anos do século XVI cingia a vila, iniciava-se junto ao castelo, no sítio designado Curral dos Coelhos, seguindo pela Praça Velha, provavelmente no alinhamento da fachada dos edifícios que naquela artéria são fronteiros ao castelo, continuando-se pela Rua da Barreira, Bairro Fidalgo, Rua da Soalheira, prolongando-se até à Porta de Santa Maria (actual Porta da Vila).
(…) A aldeia fora das portas estendia-se pelos terrenos onde actualmente se encontram as Ruas do Poço, da Poterna, de Quebra-Costas e pela parte mais alta da actual Rua Direita. Na parte exterior à muralha existiam também duas igrejas (…)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:29


O CASTELO DE CAMPO MAIOR - III

por Francisco Galego, em 02.03.08
Figueiredo, António Dias da Silva e, (1732)
El-rei D. Dinis, que foi o primeiro a ter a sua possessão, enobreceu-a com o foral de vila e fortificou-a com um vistoso castelo no ano de 1310, o qual, situado em local eminente, … (tinha) seis pequenas torres que acompanhavam uma grande a que chamavam a da homenagem, que tinha de altura pouco mais de 160 palmos (mais ou menos 35 metros) e de circunferência 240 (cerca de 50 metros). No seu interior, além de um grande armazém de munições de guerra, sobrava espaço para um largo caminho que, com suave subida, conduzia a um espaçoso eirado (terraço), donde se descortinava até à distância de muitas léguas. Tinha uma tão forte abóbada toda de cantaria, à prova de bomba e de tal grossura que sobre ela trabalhavam duas peças de artilharia de bom calibre, que nela se conservaram até aos primeiros anos das guerras de 1704. Nessa altura foram experimentadas, tendo os seus tiros provocado tal abalo nas casas que foram descidas para se colocarem noutro local.
Este castelo cercava uma povoação situada num plano, de 1076 fogos em que se contavam 5.743 pessoas. Esta povoação estava guarnecida por uma forte e moderna muralha, defendida por nove baluartes, um orelhão[1] e uma praça baixa. Tem duas portas principais e uma falsa (poterna).
 


[1] Orelhão – Maciço arredondado de alvenaria no ângulo de um bastião de uma fortaleza, onde eram construídas as torres para proteger os canhões.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:26


O CASTELO DE CAMPO MAIOR - II

por Francisco Galego, em 01.03.08
 
CASTELO E FORTALEZA (Segundo João Mariano do Carmo Fonseca)
 
“…El-Rei D. Dinis reduziu a melhor forma essa tal ou qual fortificação que havia, construindo novos muros, reparando outros antigos, destruindo deles muitos que impediam a execução do plano segundo o qual se fez o castelo na parte mais alta da vila, ficando dentro dela a Igreja de Santa Clara que então era freguesia e se conservou com este mesmo Orago até 1530, em que, por ocasião de se reedificar a Igreja, se mudou para o de Nossa Senhora da Assumpção que teve até 1646, em cujo tempo a nova Igreja , construída no interior da vila começou a servir de paróquia sob o Orago de Nossa Senhora da Expectação.
Também ficaram dentro algumas casas, mas poucas; a maior parte ficou fora.
Foi construída esta nobre fortaleza no ano de 1310.
Desde o reinado de D. Dinis até ao d’El-Rei D. João II não consta que houvesse alteração na forma deste castelo. Porém, este monarca deu-lhe mais extensão, alargando-a para a parte do ocidente e acrescentando-lhe uma grande torre, a que se chamou torre de menagem…
D. João II pôs também novas Armas à vila.
Seguiu-se El-Rei D. Manuel. No seu tempo se fez a grande redução da vila ao estado em que de presente se acha, no que respeita á sua extensão. Para se formarem as muralhas que a cercam em roda, arrasaram-se edifícios e se cortaram ruas. Ainda hoje existem algumas; de outras nem memória há de seus nomes a não ser nas antigas escrituras. Fechada a vila com a nova cerca, ficou com duas portas: uma para Norte, com o nome de S. Pedro; outra para o Ocidente, com o nome de Santa Maria.
Antes havia na vila quatro entradas e em cada uma delas uma grande cruz de mármore. O lugar da primeira era junto à Ermida de S. Pedro. O da segunda junto à Ermida de Santa Maria dos Pastores, que ficava à parte esquerda do rastilho da porta deste nome. Esta Ermida veio a ser derrubada. A terceira estava numa encosta vizinha a esta Ermida. A quarta estava num sítio chamado o Prado.
Permaneceu a praça com esta fortificação todo o tempo que mediou entre El-Rei D. Manuel e El-Rei D. João IV, no governo do qual foi consideravelmente alterada e reduzida ao sistema moderno.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:19


O CASTELO DE CAMPO MAIOR - I

por Francisco Galego, em 29.02.08
O CASTELO E A POVOAÇÃO (Segundo Estêvão da Gama):
 
(…) o castelo e a povoação que nele se desenvolveu foram fundados pelos mouros porque este buscavam os lugares altos para fazerem as suas fortalezas. Com o seu desenvolvimento acabou a povoação de S. Pedro.
 A vila foi restaurada depois pelos Peres de Badajoz no ano de 1219 que a deram ao bispado da cidade para sua fábrica.
O castelo de Campo Maior é obra muito antiga e muito forte tanto pela razão do sítio como pelas torres e muros. Foi fabricado pelos mouros e reparado pelo rei D. Dinis que levantou a maior torre que nele há e, por essa razão, quiseram alguns atribuir-lhe a honra de edificador.
 Os romanos é que lhe deram o nome com muita propriedade porque daquele sítio se descobre o maior campo que há põe aquele distrito.
Logo que El-Rei D. Dinis entrou na posse da vila reparou o castelo, edificou-lhe a torre grande.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:03


CAMPO MAIOR NA CRISE DE 1383-1385 - II

por Francisco Galego, em 03.02.08
 
PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS LOCAIS
 
 
1368 - Em 15 de Março de 1368 D. Fernando esteve em Campo Maior, passando depois a Elvas e Juromenha.
1379 - D. Fernando confirmou os privilégios do bispo de Badajoz sobre Campo Maior. Até ao fim da primeira dinastia os bispos de Badajoz vão manter interesses em Campo Maior e a tutela da sua Igreja a nível espiritual.
1386 - No final de 1386, só Campo Maior, Ouguela e Olivença se mantinham ao lado de Castela. Repare-se que são as terras que tinham permanecido castelhanas até 1297. Ouguela por este tempo já perdera importância militar. O alcaide de Campo Maior era simultaneamente o alcaide de Ouguela.
1388 - Em 15 de Setembro de 1388, D. João I veio, à frente de um exército, cercar Campo Maior. A vila foi ocupada pela força, em 13 de Outubro, depois de resistir por quatro semanas. A população não só não recebeu com simpatia os portugueses, como correu a refugiar-se no castelo e a participar nas acções de defesa ao lado da guarnição castelhana. O alcaide do castelo de Campo Maior, a 1 de Novembro de 1388, prometeu a capitulação definitiva, caso não fosse socorrido por tropas castelhanas no prazo de trinta dias. Não tendo chegado qualquer reforço, a vila e o castelo foram entregues ao rei de Portugal em 1 de Dezembro de 1388. Só Olivença continuou a resistir, juntamente com Noudar e Mértola, no Alentejo, até ao acordo de tréguas assinado pelos reis de Portugal e Castela em Monção, em 29 de Novembro de 1389.
1392 – Nesta altura foram cortados todos os vínculos, incluindo os eclesiásticos que ligavam Campo Maior e Ouguela a Campo Maior. A partir de 1392 as vilas raianas desta região passaram a constituir uma administração eclesiástica própria.
1396 – Campo Maior tornou-se o centro militar donde partiam as acções contra os castelhanos nesta região da fronteira. Daqui partiu a expedição que na madrugada de 11 de Maio de 1396 cercou e conquistou o castelo de Badajoz.
1420 - Depois da conquista de Ceuta, D. João I pediu ao papa para erguer a igreja dessa praça a bispado. Martinho V, pela bula Romanus Pontifexde 4 de Abril de 1418,encarregou os arcebispos e Braga e de Lisboa de darem provimento a esse desiderato. Em Sintra, em 6 de Setembro de 1420, aqueles prelados deram sentença executória, passando Portugal a contar com mais uma diocese.
         Aproveitando o Cisma que dividiu a cristandade na obediência a mais de um papa, D. João I logrou transferir para o reino a jurisdição de certas terras portuguesas que estavam sob a alçada de dioceses castelhanas. Foi nessa conjuntura que Olivença, Ouguela, Campo Maior e outros lugares próximos, que estavam dependentes do bispado de Badajoz, passaram para a jurisdição da diocese de Ceuta. Outro tanto aconteceu com as ordens militares que aproveitaram para se separarem da dependência que os ligava a mestres localizados em Castela.
 
 
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:29


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D