Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




VAIDADES MASCULINAS

por Francisco Galego, em 10.04.12

Nesta região de Portugal, as “saias” funcionavam também como descante nos trabalhados rurais. Cantava-se geralmente quando se trabalhava no campo, isoladamente ou em grupo. Mas cantava-se, principalmente, quando as tarefas agrícolas tinham de ser realizadas colectivamente, por grandes ranchos de camponeses, o que acontecia em determinadas épocas do ano: em grupos mais pequenos, quando os ganhões lavravam os campos ou quando se faziam as sementeiras; em grandes ranchos de homens e mulheres, quando se ocupavam na apanha da azeitona no Inverno, no escardar das searas por altura da Primavera, nas ceifas do Verão e nas vindimas do Outono.

Nesse tempo havia uma cultura camponesa que se manifestava nas atitudes e nos comportamentos das pessoas que faziam dos trabalhos agrícolas a sua principal ocupação.        

Os carreiros e os pastores, por exemplo, tinham grande orgulho na maneira como aparelhavam e enfeitavam os animais entregues ao seu cuidado pelos maiorais. Os mais jovens, quando ainda solteiros, rivalizavam na maneira como iam adquirindo, à custa de algum dinheiro que conseguiam poupar dos seus magros salários – quase sempre com o sacrifício de outras necessidades – guizos, cascavéis, esquilas e chocalhos para dar um som personalizado ao andamento das parelhas que conduziam, ou aos animais colocados sob sua guarda no pastoreio.

 

Não quero amor de boieiro,

Que não ganha bons tostões;

E toda a sua riqueza,

São chocalhos e esquilões.[1]

 

A escolha combinada do som desses apetrechos era tarefa que podia demorar horas pois exigia muita e atenta ponderação. Só quem pôde observar os jovens camponeses, nas feiras ou no comércio local, entregues a essa delicada missão, pode fazer ideia do valor que eles atribuíam a essa escolha e de quanto empenho punham em tão importante decisão.



[1] Publicada em A Sentinella da Fronteira, nº 346, Elvas, 15 de Novembro de 1884, mas com algumas diferenças.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:34


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D