Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




HISTÓRIA DO FUTEBOL EM CAMPO MAIOR ( II )

por Francisco Galego, em 14.04.10

ANTEPASSADOS QUASE DECONHECIDOS (1)

 

 

Dos grupos que primeiro se terão constituindo e que se extinguiram com a Primeira Grande Guerra, ficou apenas memória de um que se chamava 5 de Outubro Foot-Ball Club; mas, mesmo este, tinha cessado por completo as suas actividades no início dos anos 20.

Nada podemos afirmar sobre quando e como terá chegado a Campo Maior o conhecimento e a prática do futebol. O mais provável é que tenha sido trazido por jovens da terra que estudavam em Lisboa ou em Coimbra, pois em ambas as cidades, o futebol se desenvolveu desde muito cedo.

De concreto apenas podemos encontrar testemunhos de que, antes da guerra de 1914-1918, existiam  em Campo Maior grupos que se dedicavam à prática do futebol.

O jornal de Elvas O Leste, em Julho de 1915, referia os nomes dos clubes que, em Elvas, se dedicavam à prática do futebol: Sport Club Progresso, União Desportiva Elvense, e Grupo Académico. Segundo o jornal, a prática do futebol já estava antes instalada nos hábitos da juventude pois “ Houve uma época, que o amôr do foot-ball era como que uma doença que atacava a mocidade... a cada passo, ao dobrar da esquina ou no meio de qualquer rua, tinhamos que nos esquivar ... para evitar o ímpeto de uma bola de trapo com que a juventude se divertia.

O mesmo jornal, em Fevereiro de 1916, em crónica assinada por J.R. que, quase de certeza terá sido escrita pelo punho de João Ruivo, noticia a realização de um desafio em Campo Maior entre o União Desportiva Elvense e o Club Desportivo 5 de Outubro tendo este alinhado com: Mourato, José Ruivo, Guitano,  Saragoça, João Ruivo ( Captain ) , Garcia, Botica, Sérgio e Alberto Mourato, porque na 1ª parte faltaram Serafim e Ensinas. Segundo o cronista: O grupo 5 de Outubro, mostrou-se ainda pouco conhecedor das passagens, chutando com muita força dando em resultado entregarem constantemente a bola aos adversários e limitando-se à defesa durante quasi todo o jogo pois fizeram poucas e mal rematadas avançadas.

Na segunda parte, quiçá por entrarem nos seus logares os jogadores que haviam faltado à primeira, jogou-se com mais calor, defendendo melhor o 5 de Outubro, pelo que se não marcou mais nenhuma bola, contribuindo tambem para isso o facto do half-centro do União Desportiva Elvense ter abandonado o campo por motivos estranhos ao desafio...

Findo o desafio (com o resultado final de 3-0, golos marcados na 1ª parte),

Vitoriaram-se os grupos com os hurrahs do  estilo, indo em seguida abancar no Gavião Branco onde foi servido um lanche pelo 5 de Outubro.

Bom seria que os senhores jogadores do 5 de Outubro se convencessem de que a disciplina é a base do Association e que em vez de andarem a flirtar pelas calles se lembrarem dos seus compromissos.

João Ruivo, grande  animador cultural desde os tempos que se seguiram à Implantação da República, foi um dos seus principais praticantes. Da sua biblioteca fazia parte um livro sobre  futebol, O Football-Indispensavel a todos os jogadores- de Joseph Manchon editado em 1910 em Lisboa  e que deve ter constituído o manual que orientou as primeiras experiências feitas em Campo Maior para se praticar o futebol com alguma seriedade. Há entre os  documentos  que João Ruivo deixou, uma cópia manuscrita dos estatutos que ele próprio redigiu para o Club Desportivo Cinco de Outubro, no qual jogou até ser mobilizado para ir combater nos campos de França.

Na reunião que se fez para a fundação do Club Desportivo Cinco de Outubro e que se efectuou a 5 de Outubro de 1915 numa casa no Largo Dr. Regala, a qual ficou a funcionar como sede provisória, foi aprovado o Regulamento Interno Provisório e foi também deliberado “que se participasse a sua fundação aos seus congéneres Lusitano Sporting Club e Grupo Sportivo Campomaiorense (...) Em seguida alguns dos presentes que pertenciam ao antigo Grupo Sportivo ofereceram para os cofres da nova associação um escudo e cinco centavos que lhes coube por dissolução daquele”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D