Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




RAZÕES DE ESPERANÇA…(I)

por Francisco Galego, em 16.03.10

Fui um dos muitos que tiveram de partir à procura de oportunidades que, naquele tempo, não existiam em Campo Maior. A consequência, não prevista nem desejada pelo jovem que daqui partiu com cerca de treze anos, foi a de a maior parte da minha vida ter decorrido por outras terras onde o destino e a profissão me levaram ao longo de meio século.

Afastado geográfica mas não afectivamente, pois sempre mantive laços com a terra que foi o espaço da minha infância e de parte minha adolescência, voltei vai para cinco anos. Encontrei mudanças que me chocaram. Atitudes e comportamentos que me surpreenderam. Deixei que o tempo me mostrasse causas e razões. Formulei explicações, fui elaborando juízos de valor e alicerçando opiniões. Fiz escolhas tentando encontrar o que melhor garantisse que seria feito o que me parecia ser mais necessário.

E aqui estou expectante de que esta terra possa voltar a conceber e a desenvolver projectos que lhe possibilitem um futuro melhor do que o passado recente que foi o seu viver nas últimas duas décadas da sua existência. Às vezes desespero e chego a pensar que as perspectivas de mudança são tão ténues e tão demoradas que talvez uma real mudança nem chegue a acontecer. Para me convencer a mim próprio, procuro razões para acreditar que poderá haver um futuro mais risonho para esta terra. Bastaria que fosse possível vencer esta acomodação em que se caiu.

Estou consciente das dificuldades que se nos deparam. Não tenho, como é evidente a capacidade mágica de apontar soluções infalíveis para resolver o problema. Mas creio que a aposta em projectos de qualidade é sempre o meio mais seguro para encontrar o caminho para essas soluções.

Sei também que será praticamente impossível mudar os hábitos culturais das gerações mais idosas. Por isso entendo que poderá haver grande vantagem em apostar em projectos virados para as gerações mais jovens. Desejo sobretudo que, havendo verdadeiro empenho e autêntica vontade de desenvolver projectos bem estruturados, haverá a possibilidade de derrotar a acomodação, a lassidão e o marasmo que vai sufocando lenta mas inexoravelmente a vida local.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:28



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D