Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Razões de uma atitude

por Francisco Galego, em 18.10.09

 

Nunca gostei de convencer, de influenciar ou de doutrinar as outras pessoas. Creio que foi esta faceta da minha personalidade que me encaminhou para a minha inclinação profissional tornando-me professor. A minha grande preocupação foi a de ajudar os outros a saberem pensar. Mas a pensar criticamente, ou seja, a fundamentarem aquilo que pensam em bases sólidas que dêem razão a conclusões e argumentos que permitam desenvolver planos de acção úteis, exequíveis, dirigidos à resolução de problemas concretos e ao preenchimento de carências e necessidades reais.
Tenho uma visão ética da política e isso implica que a conceba como uma missão que alguém assume com o objectivo de se colocar ao serviço dos outros. Por isso, o que mais me repugna na política é a propaganda manhosa, a campanha intencionalmente feita de mentiras, calúnias boatos e deturpações da verdade. Numa palavra, a política como projecto pessoal de alguém que procura nela apenas maneira de se beneficiar e sair dela a ganhar, ainda que isso implique passar por cima de tudo e de todos, ignorando razões e princípios de ordem moral.
Ao longo da minha vida, embora nem sempre o tenha conseguido, sempre procurei não assumir cargos. Mas, sempre que cedi a pressões para que me envolvesse, acabei por me censurar e chegar à conclusão que há de facto coisas que nem faço bem, nem me dá gosto fazer.
 Há contudo situações políticas tão fora dos parâmetros da ética que eu não resisto ao apelo de nelas me envolver para tentar ajudar a que as coisas regressem à sua forma justa, certa e normal. Foi o que agora fiz e não me arrependo de o ter feito.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D