Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




UM POLÍTICO EXEMPLAR

por Francisco Galego, em 23.01.09

 

            No meio do confrangedor panorama que nos apresenta a vida política actual, é com grande satisfação que escrevo estas linhas sobre um político português que merece particular destaque pela maneira distinta como tem desenvolvido a sua actuação ao longo de uma notável carreira política.
            Jorge Sampaio pertence à geração que me antecedeu na frequência da Universidade de Lisboa. Quando cheguei para frequentar a Faculdade de Letras, era ele aluno finalista do curso de Direito.
            Estavam no apogeu os grandes movimentos de juventude que caracterizaram os anos sessenta. Lembro-me de assistir às grandes assembleias de estudantes no Estádio Universitário, com números tão elevados de presenças que o campo utilizado para a prática do râguebi e do futebol ficava apinhado de estudantes. Isto apesar da omnipresente vigilância dos agentes da PIDE.
            Eu, jovem caloiro, ficava a observar com admiração atenta aquele jovem de sardas e cabelo ruivo que dirigia com tanta segurança e rigor tamanha massa de gente. Impunha silêncio sem dificuldade e sem recorrer a grandes gestos ou gritos. Expunha as suas ideias com clareza, sem recorrer a truques de demagogia. Como eu integrava a direcção da Pró-Associação dos Estudantes de Letras e ele dirigia a Associação de Direito, ainda pude também observar a firmeza com que dirigia as reuniões entre representantes das associações das escolas de Lisboa (RIA).
            Depois fui seguindo de longe a sua carreira como político sem que, em algum momento, tivesse encontrado motivo que me levasse a desmerecer na admiração que desde início lhe tinha dedicado.
            Fez carreira como advogado. Após o 25 de Abril, integrou o Movimento de Esquerda Socialista (MES), vindo a aderir ao Partido Socialista (PS) em 1979. Dez anos depois, em Janeiro de 1989, faz precisamente vinte anos hoje, dia em que escrevo estas linhas, foi eleito Secretário-Geral do PS, candidatando-se, logo depois, à presidência da Câmara Municipal de Lisboa. Contrariando as tendências dominantes na época, rompendo tabus e preconceitos que dilaceravam já então a esquerda, constituiu a coligação “Por Lisboa”, na qual se integraram “Os Verdes”, o MDP/CDE, o PSR e o PCP. A coligação derrotou Marcelo Rebelo de Sousa e Jorge Sampaio tornou-se Presidente da Câmara Municipal de Lisboa em 17 de Dezembro de 1989.
            Em 1992, perdeu para Guterres o cargo de Secretário-Geral do PS. De acordo com a integridade de carácter que sempre o distinguiu, aceitou com tanta serenidade a derrota como a que tinha assumido quando se tratara de celebrar as vitórias.
            Voltaria à ribalta em 14 de Janeiro de 1996, quando venceu Cavaco Silva na eleição para a Presidência da República. Desempenhou com particular relevo e distinção o cargo de mais alto magistrado da nação até ao ano de 2006. Depois, em 26 de Abril de 2007, foi convidado por Kofi Annan para colaborar com a Organização das Nações Unidas (ONU) desempenhando cargos e missões a nível internacional. Assim, assumiu primeiro o cargo de enviado especial para a luta contra a tuberculose e, depois, o de representante da ONU para a Aliança das Civilizações.
            Vêm estas recordações a propósito do artigo de opinião que Jorge Sampaio publicou no Diário de Notícias, no passado dia 12 de Janeiro, sob o título de “Cinco Reflexões Sobre os Desafios de uma Estratégias Nacional”.
            Neste artigo, começa por analisar os pontos fortes e fracos do nosso país face à situação actual, para encontrar as razões que permitam lançar as ideias fundamentais que estruturem um projecto para Portugal, para os próximos dez a quinze anos. A sua reflexão parte da constatação de que existem vectores que possam suportar essa estratégia: a própria comunidade nacional, como nação muito antiga, de estrutura universalista, de forte identidade e de sólida unidade, sem conflitos internos graves, sem problemas de fronteiras; a solidez das nossas instituições democraticamente legitimadas por uma experiência de mais de trinta anos; a inserção do Estado Português como entidade autónoma e independente no sistema político internacional; a condição de ser parte integrante da União Europeia e de participante noutras alianças quer europeias, quer mundiais. Tudo isto confere a Portugal um prestígio que faz com que o seu peso, a nível internacional, seja muito superior ao da sua dimensão geográfica, porque a “influência de um país na cena internacional não se mede só em função da dimensão do território, da população ou do PIB, mas também da sua atitude afirmativa, empreendedora, valorizante e cooperativa, da sua capacidade em acrescentar valor, em se afirmar como parceiro credível da comunidade internacional…” (DN, 12/1/09)
            Este trabalho, constitui um notável contributo para melhor se conhecerem as circuntâncias presentes e as perspectivas futuras do nosso país e do nosso regime democrático. Nele são apresentadas as linhas fundamentais que devem estruturar o futuro e para servirem de orientação nas opções a tomar, na condição de que haja “coragem para rejeitar o facilitismo, o populismo e a demagogia, fazendo o que é preciso fazer”. (Idem, ibidem)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:37



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D