Quinta-feira, 10 de Maio de 2018

Que fazer perante a trágica situação de termos uma população tão impreparada, e tão facilmente manipulável por tantos inescrupulosos oportunistas, instalados nos orgãos de comunicaçõa social ou utilizando as redes sociais de comunicação?

 

Persistir na denúncia constante destas situações. Lutar pelo aprofundamento de um sistema educativo de qualidade, gerador de uma cultura democrática e de uma maior participação cívica dos cidadãos.

Prosseguir no esforço de dar um novo alento político  à sociedade, fazendo emergir novos líderes capazes de elaborar e pôr em execução projectos que garantam novas soluções que melhorem as condições de vida das populações.

Regressar aos valores éticos que tornem de novo a política uma arte e uma ciência ao serviço da sociedade e não a habilidade astuta dos que só pensam em beneficiarem-se mediante negociatas escusas, tráficos de influências e práticas de corrupção. Os homens e as mulheres, de verdade e de boa vontade, devem juntar esforços para pôr fim a estas situações abusivas que estão a tornar cada vez mais insuportável esta nossa forma de viver.

Necessitamos de políticas direccionadas para o desenvolvimento económico, para a garantia da segurança e da estabilidade social, através de maiores e melhores oportunidades para as novas gerações, pois nelas assenta a possibilidade de sustentação das gerações mais idosas que vão deixando de estar em condições de participarem na produção, para que possam viver de reformas que lhes garantam uma aceitável qualidade de vida na sua velhice.

Só com políticos sérios, honestos e competentes, homens e mulheres de sólido carácter, poderemos ter soluções adequadas para os problemas que hoje se deparam às comunidades locais.

Precisamos de começar a suspeitar dos que prometem grandes facilidades, vantagens e constantes diversões. Os tempos que aí vêm são tempos difíceis. Prestemos atenção aos que nos avisam dos perigos que teremos de enfrentar. O nosso sistema social está em crise e as crises só podem ser vencidas com o esforço e os sacrifícios de todos.

Devemos estar sempre muito atentos aos vendedores de promessas que nunca pagam, porque nunca tiveram a intenção de pagar as promessas que vão fizendo.



publicado por Francisco Galego às 10:54
Aqui se transcrevem textos, documentos e notícias que se referem à vida em Campo Maior ao longo dos tempos
mais sobre mim
Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

14
15
16
17
18

20
21
22
23
25
26

28
29
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
Visitas
subscrever feeds
blogs SAPO