Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




SIGNIFICADO DA CATÁSTROFE DE 1732

por Francisco Galego, em 01.01.17

Podemos afirmar sem receio de contestação que, no decurso da sua história, a vila de Campo Maior conheceu duas épocas completamente distintas, tanto no que respeita à sua configuração como à sua extensão enquanto agregado urbano. Podemos também concluir que quase nada se conservou do seu património anterior à destruição que sofreu em 1732. Podemos também ajuizar como grande parte do seu espólio documental se perdeu nos escombros e nos incêndios que resultaram nessa destruição.

Os textos que se têm vindo a publicar, sobre este trágico acontecimento, são bastantes e bastante extensos. Mas, por um lado, são muito pouco conhecidos e, por outro lado, são fundamentais para termos uma ideia do facto que, ao longo da sua existência, mais marcou a história de Campo Maior. Por isso, pareceu apropriado terminar, com esta breve síntese.

 

I - EXPLOSÃO DO ARMAZÉM DA PÓLVORA

16 DE SETEMBRO DE 1732

4 HORAS DA MADRUGADA,

UMA TROVOADA ABATEU-SE SOBRE CAMPO MAIOR

UM RAIO CAIU SOBRE A TORRE DE MENAGEM QUE SERVIA DE PAIOL

DEU-SE UMA TREMENDA EXPLOSÃO

A TORRE DE MENAGEM DESFEZ-SE EM PEDAÇOS

UMA CHUVA DE PEDRAS CAIU SOBRE O POVOADO

A VILA FICOU QUASE COMPLETAMENTE DESTRUÍDA

  1. JOÃO V ORDENOU A SUA RÁPIDA RESTAURAÇÃO

 

II - O REBENTAMENTO DE 1732        

CAMPO MAIOR ANTES DA CATÁSTROFE:

- Achava-se a vila no maior auge que se podia considerar;

- Depois do cerco de 1712, o rei cuidara de mandar reparar os estragos;

- Com a vinda dos carregamentos de ouro e de pedras preciosas do Brasil, os recursos eram imensos;

- A guarnição militar fora reforçada;

- O Bispo de Elvas D. João de Sousa, que muito visitava Campo Maior, onde mantinha residência, cuidou muito do arranjo dos edifícios e obras da Igreja:

- Na Igreja Matriz mandou fazer a tribuna, pintar a Capela-mor e todas as outras capelas;

- Tirou a Igreja da Misericórdia do sitio antigo, abrindo-se o chamado “Terreiro” para realização dos mercados e reconstruindo-a no sítio actual;

- A Igreja de São João, ficara tão arruinada pelo cerco de 1712 que tinha sido demolida, estando a decorrer o processo para a sua reconstrução;

- Construíra-se uma nova Igreja no Castelo;

- O Convento de S. Francisco tinha-se acabado no ano anterior, 1731;

- As casas do governador Estêvão da Gama, junto à Porta de S. Pedro, as casas de D. João de Aguilar, no Terreiro das Estalagens ( Largo do Assento), bem como as casas de todos os principais da terra tinham sido reconstruídas e melhoradas;

- O castelo tinha sido reparado, sendo melhoradas as suas instalações;

- Mesmo as casas mais pobres, tinham sido reconstruídas e melhoradas.

 

CAMPO MAIOR DEPOIS DA CATÁSTROFE:

Uma destruição quase total:

- a torre de Menagem que em 1712 tinha sido atingida por nove bombas de grande potência sem lhe causarem qualquer mossa, foi arrancada dos alicerces, desfez-se em pedaços que arrasaram o resto do castelo e grande parte da povoação;

- das 1.076 casas que a vila tinha, todas ficaram danificadas, ficando 836 completamente destruídas; arruinaram-se as igrejas (sendo que a de São João começara a ser desmanchada em 1729); 256 mortos e mais de 2.000 feridos; a população era, segundo um censo feito três meses antes (Junho de 1732), de 5.218 pessoas.

- Devido à acção empenhada de D. João V, uma nova vila estaria resconstruida, cerca de 10 anos depois.

- Três anos não eram findos, e já as obras de reconstrução das casas da vila estava quase acabada.

- As obras de reconstrução das igrejas, bem como das defesas e edifícios militares demorou por mais alguns anos.

- O antigo castelo tinha desaparecido. O que se construiu nesta altura foi apenas uma espécie de cenário para dar alguma dignidade à vila e para acolher alguns edifícios da administração militar da praça de guerra.

- Quanto à fortaleza, só em 1797 começou a sua remodelação por causa da crescente ameaça do imperialismo francês.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:04

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D