Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




UM TEXTO DE JOÃO PEDRO RUIVO

por Francisco Galego, em 25.05.14

1. Campo Maior – Terra Fronteiriça

Breves notas sobre História, Arte e Turismo em Campo Maior

 

                Uma terrível explosão do armazém da pólvora e das munições provocada por violenta tempestade num dia de Setembro do ano de 1732[1], causou a lamentável destruição de quase tudo quanto a Leal e Valorosa vila possuía de mais notável em matéria de arte e arqueologia e que vinha desde os primórdios da sua integração na nacionalidade portuguesa até aquele fatídico dia. Além de algumas torres, entre elas a torre de menagem que servia de paiol, panos da muralha e do castelejo, ou seja, a parte mais antiga da fortificação medieval, mais tarde ampliada por uma nova cinta de muralhas no tempo de D. Afonso III[2], cuja pedra de armas se pode ver ainda encimando uma das portas do lado poente, tudo ficou destruído até aos alicerces. Do mesmo modo, todo o casario da primitiva vila medieval ficou destruído e com ele os solares de famílias nobres com os seus portais e fenestras de ogiva, bem como as grades dos balcões, do género dos que se vêem na parte antiga de outras povoações como Marvão, Castelo de Vide, Estremoz, Monsaraz e Albuquerque.

                Desapareceu igualmente a igreja romano-gótica, ou talvez gótica de Santa Maria do Castelo, primitiva matriz e, como é de crer, todo o precioso recheio e tudo quanto de interesse e de valor deveria existir na igreja, bem como no palácio do governador e nos antigos solares, em mobiliário, tapeçarias, peças de arte, etc. Esta parte mais antiga da vila nunca foi reedificada, atulhando-se o recinto, com os materiais dos escombros, até à altura do caminho da ronda, formando-se assim a esplanada que chegou até aos nossos dias.

                Fora do recinto fortificado já existiam, à data da explosão, algumas ruas com casas de moradia e solares como os dos Teles da Silva, Teles de Meneses, Vaz, Barreiros, Galvões, Mexias e de outros nobres, assim como os Paços do Concelho, todos de construção que se presume posteriores aos séculos XIV e XV. Toda esta parte da vila sofreu graves estragos e grandes mudanças com as obras de reparação que decerto lhe alteraram a traça primitiva. Por isso, nada resta dos estilos da época anterior, a não ser um portal gótico que parece ter sobrevivido do antigo Domus Municipalis, transformado em açougue após a horrorosa catástrofe na qual perderam a vida alguns milhares de habitantes da vila que, já então, era populosa. Ruíram algumas centenas de casas, segundo os relatos da época.

                Iniciada no último quartel do século XVI, a actual Igreja Matriz, dedicada a Nossa Senhora da Expectação, de majestosa e robusta fábrica, crê-se ser obra do famoso mestre de pedraria do Cardeal-Rei D. Henrique, Manuel Pires, que foi também o construtor ou, pelo menos, o autor dos planos das igrejas barrocas de Évora, Estremoz e de outras terras do Alentejo. Esta obra continuada já sob a dominação filipina, só veio a conclui-se após a Restauração, em meados do século XVII. As primitivas cúpulas em forma de pirâmides quadrangulares terão sido substituídas pelas que se vêem hoje, em forma de calote esférica, por aquelas terem sido destruídas pelas pedras resultantes da explosão da torre do castelo, em 1732, bem como as abóbadas do coro e das naves que ruíram em parte.

                Contíguas ao imponente templo, oferece-se à curiosidade do visitante, a capela do Calvário, com um monumental altar e uma outra toda revestida de ossos humanos, no género da de Évora, mas mais artística se bem que menos espaçosa, ostentando, como aquela, a legenda: NÓS OSSOS QUE AQUI ESTAMOS PELOS VOSSOS ESPERAMOS.

                A original e curiosa igreja barroca de S. João Baptista, bastante rica nos mármores que revestem a fachada e todo o seu interior até à cornija, é também posterior à explosão, portanto, do século XVIII.

                São estes os monumentos mais representativos que a vila mostra aos visitantes. Não devemos esquecer a famosa janela renascentista que ostenta orgulhosamente a torre norte do castelo, salva do desastre e que não hesitamos em atribuir ao egrégio artista normando Nicolas Chanterene, ou de desenho seu e executada por um dos seus discípulos. Trata-se, provavelmente, de uma obra da época de D. João III, século XVI, e não da época de D. Manuel como, a meu ver, erradamente se tem afirmado.

                E não deixaremos também de mencionar, como digna de ser vista e admirada, uma bem trabalhada grade de ferro forjado que se vê numa casa denominada da “Mitra”, na Rua da Canada, de nítida influência espanhola, que pode ser considerada um dos especímenes mais artísticos e aprimorados do seu género, no Alentejo, só tendo pares nas de Portalegre, Marvão e Borba ou em algumas bastante semelhantes que já vimos em terras da “Extremadura” e da Andaluzia.

                Convém ainda referir a pitoresca e bucólica “Quinta da Rainha”, hoje na posse do nosso conterrâneo e amigo José Estrela da Mata e de sua esposa D. Maria Rasquilha Corado da Mata que a transformaram num acolhedor e atraente ninho de arte que nos deleita o espírito, naquele remansoso vale de São Joãozinho, com os seus jardins à Le Nôtre[3], com cascata, ruas ensombradas de buxo, engrinaldadas de roseiral e trepadeiras, lago e jogos de água, horta e pomar bem cuidado. O vetusto solar, com o seu torreão de ameias e merlões, leva-me a atribuir a sua fundação ao século XVI, em que um grande número de casas solarengas ostentava torres ameiadas ao modo de fortaleza. As suas fachadas foram modificadas posteriormente. A do lado norte foi acrescentada com imponente escadaria de feição setecentista que dá majestade ao amplo pátio embelezado com graciosa fonte que ostenta uma escultura em mármore representando um Neptuno de razoável execução.

João Ruivo, Lisboa, Agosto de 1961



[1] Foi na madrugada de uma terça-feira, dia 16 de Setembro de 1732

[2] O autor quereria dizer, D. João III

[3] André Le Nôtre (1613-1700): Arquitecto francês, no reinado de Luís XIV, autor dos monumentais jardins de Versalhes e das Tulherias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:42


JOÃO PEDRO RUIVO - UM ESCRITOR CAMPOMAIORENSE - I

por Francisco Galego, em 20.05.14

 

Dados para o Curriculum Vitae de João Pedro Ruivo durante a sua permanência em Campo Maior:

 

- Certidão de exame de instrução primária com Distinção

- João Ruivo refere numa carta que, neste ano em que estava colocado como cabo telegrafista em Lisboa, frequentou a Universidade Popular (em “O Campomaiorense” , nº 50 de 10 de Fevereiro de 1923). Confundiu certamente o nome desta universidade com o nome da Universidade Popular Portuguesa que foi fundada em 1919, por Bento Jesus Caraça. O que ele frequentou foi a Universidade Livre, fundada em 28 de Janeiro de 1912 e que se manteve em actividade por vários anos, como se pode constatar pelas notícias do jornal O Mundo.

- Atestado de haver cursado com óptimo aproveitamento, todas as disciplinas que constituem o programa do curso geral dos liceus.

- Desempenhou as funções de amanuense do concelho de Campo Maior, desde 11 de Março de 1915 a Abril de 1928.

- Desempenhou as funções de Escrivão do Juízo de Paz, desde 1 de Fevereiro de 1919 a 31 de Maio de 1923.

- Desempenhou as funções de secretário da Junta de Freguesia da Expectação de 1 de Janeiro de 1921 a 25 de Janeiro de 1925 e de secretário da Junta da Freguesia de São João Baptista de 1 de Outubro de 1921 a 18 de Janeiro de 1925.

- Desempenhou interinamente as funções de secretário da Administração de Campo Maior em 1920, 1921, 1922 e de 22 de Junho de 1926 a 8 de Março de 1927.

- Desempenhou as funções de Delegado do Governo substituto desde 20 de Setembro de 1924 a 30 de Setembro de 1925.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:31


UM CAMPOMAIORENSE ILUSTRE: PROFESSOR MARIO RUIVO (2)

por Francisco Galego, em 15.05.14

Alguns cargos e funções que o Prof. Mário Ruivo foi desempenhando ao longo da sua carreira:

  1. Presidente da Comissão Oceanográfica Intersectorial do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior;
  2. Presidente do Conselho Nacional do Ambiente e do Desenvolvimento Sustentável;
  3. Presidente do Comité para a Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO e Representante de Portugal no seu Conselho Executivo;
  4. Presidente do European Centre for Information on Marine Science and Technology (Eurocean);
  5. Delegado de Portugal no Marine Board da European Science Foundation;
  6. Presidente da Assembleia-Geral da Sociedade Portuguesa de Ciências Naturais (SPCN); Presidente da Federação Portuguesa das Associações e Sociedades Científicas (FEPASC);
  7. Presidente da Direcção do Fórum Permanente para os Assuntos do Mar (FPAM);
  8. Membro da Direcção do Centro Nacional de Cultura;
  9. Membro da Sociedade de Geografia de Lisboa e da Secção de Geografia dos Oceanos;
  10. Membro do Conselho Consultivo da Fundação Francisco Pulido Valente;
  11. Membro do Conselho de Administração do International Ocean Institute (Malta);
  12. Membro Vitalício do Conselho Geral da Fundação Mário Soares; Membro Honorário da Ordem dos Biólogos. Foi Vice-Presidente da Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO (2003- 2007);
  13. Membro do Conselho Consultivo da Estrutura de Missão para os Assuntos do Mar (2005-2006);
  14. Membro da Comissão Estratégica dos Oceanos (2003-2004);
  15. Encarregado da Equipa de Missão para a Candidatura de Lisboa à Sede da Agência Europeia de Segurança Marítima (2001-2002);
  16. Coordenador da Equipa de Missão para o Programa Dinamizador de Ciências e Tecnologias do Mar – PDCTM (1998-2000);
  17.  Membro e Coordenador da Comissão Mundial Independente para os Oceanos, presidida por Mário Soares (1995-1998); esta Comissão elaborou o relatório “O Oceano Nosso Futuro”, apresentado à Assembleia Geral das Nações Unidas e divulgado em livro por todo o mundo;
  18. Conselheiro Científico da EXPO’98: “O Oceano – Um Património para o Futuro” (1993-1998);
  19. Professor Catedrático Convidado da Universidade do Porto/ICBAS até 1997 (Curso de Gestão e Política dos Oceanos);
  20. Secretário da Comissão Oceanográfica Intergovernamental da UNESCO, Paris (1980-1988);
  21. Director Geral dos Recursos Aquáticos e Ambiente do Ministério da Agricultura e Pescas (1975-1979);
  22. Presidente da Comissão Nacional para a FAO (1974-1979);
  23. Chefe da Delegação Portuguesa à Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (1974-1978);
  24. Secretário de Estado das Pescas e Ministro dos Negócios Estrangeiros (1974-1975);
  25. Director da Divisão de Recursos Aquáticos e Ambiente do Departamento de Pescas da FAO (1961-1974).

Dos prémios que lhe foram atribuídos, a nível nacional e internacional, destacamos:

  1. O “Gold Medal Award”, Foundation for International Studies, Malta - 1996;
  2.  Açor de Cristal (Mostra Atlântica de Televisão – MAT’97);
  3. Prémio “Prestígio” (Troféu Nova Gente – 1997);
  4.  Prémio Bordalo de Honra (Casa da Imprensa - 2000);
  5. Prémio Carreira 2007 da Federação das Associações Amigas do Ambiente (Especialista para Assuntos do Oceano).

Foi agraciado com as seguintes condecorações e distinções:

  1. Grã-Cruz da Ordem Nacional de Mérito Científico (Brasil);
  2.  Grã-Cruz da Ordem de Mérito (Portugal);
  3. Grande Oficial da Ordem Militar de Santiago de Espada (Portugal);
  4.  Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique (Portugal);
  5. Companion, The National Order of Merit (Malta);
  6. Chevalier de la Légion d’Honneur (França).

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:27


UM CAMPOMAIORENSE ILUSTRE: PROFESSOR MARIO RUIVO

por Francisco Galego, em 12.05.14

I. Momentos significativos de uma carreira

                 O Professor Mário Ruivo é, por formação, biólogo licenciado pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa em 1950. Especializou-se em Oceanografia Biológica e Gestão dos Recursos Vivos Marinhos na Universidade de Paris – Sorbonne, Laboratoire Arago – entre 1951 e 1954. Foi Director da Divisão dos Recursos e Ambiente Aquático da FAO de 1961 a 1974, tendo participado na Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente Humano em Estocolmo no ano de 1972. Secretário da Comissão Oceanográfica Intergovernamental (COI) da UNESCO de 1980 a 1989) e Professor Catedrático Convidado da Universidade do Porto/ICBAS - Curso de Política e Gestão dos Oceanos.

Além de numerosas publicações científicas no campo da oceanografia biológica e gestão de pesca, é autor de estudos, ensaios e artigos sobre política e gestão dos oceanos, ciência, sociedade e ética, aspectos institucionais da cooperação internacional em assuntos do mar e ambiente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:30


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D