Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Coisas que fui escrevendo XII

por Francisco Galego, em 28.09.09

 

1. Neste novo século, a escola como instituição e os profissionais a ela ligados, encontram-se num ponto de viragem tão profunda como aquela em que se encontravam no início do século passado. Tão radical é esta mudança, que melhor seria falarmos numa mutação. As novas exigências que a sociedade impõe à escola exige dela, rápidas e constantes adaptações. A escola é cada vez mais um universo aberto à comunidade e, em consequência disso, vê-se condenada a uma autonomia que a responsabiliza e obriga a gerir bem os recursos de que dispõe, ao mesmo tempo que, em consequência da mesma autonomia, fica exposta à pública prestação de contas através da avaliação dos efeitos sociais que produz.
            Não é por acaso nem por capricho de moda que ocorrem estas transformações. No estado actual em que se encontra o mundo, em que os dogmas substituem a razão, em que o fanatismo se sobrepõe à tolerância, em que a desenfreada busca dos prazeres e da notoriedade faz esquecer o necessário cumprimento dos deveres, torna-se urgente, torna-se inadiável que a escola desenvolva novas perspectivas curriculares que integrem conteúdos de aprendizagem que vão para além dos conhecimentos específicos das disciplinas e cursos de formação, integrando também aprendizagens referidas às atitudes, aos valores e às responsabilidades sociais. Dito de outro modo, são grandes as responsabilidades educativas que hoje se proporem às escolas e aos professores.
            Novas exigências em termos curriculares implicam o desenvolvimento de novas competências da parte dos profissionais ligados às organizações escolares. Para uma adequada educação para os valores torna-se necessário que os professores se tornem educadores.
Novas condições sociais provocaram efeitos relevantes na organização do trabalho e na estruturação das famílias. Depois das duas grandes guerras do passado século, a escola viu-se confrontada com duas grandes modificações que vão abalar as suas seculares convicções e rotinas: a massificação das populações escolares; a complexificação das aprendizagens.
A escola do século passado, habituada à tranquila uniformidade das clientelas burguesas que normalmente a frequentavam, vê-se actualmente invadida por uma pluralidade de classes, com uma grande variedade de culturas e de atitudes comportamentais. Os saberes, antes muito estáveis, ficam sujeitos a uma mudança contínua e progressivamente acelerada.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00


A Feira de Elvas

por Francisco Galego, em 23.09.09

 

Há sessenta anos atrás, a feira de Elvas era ainda um acontecimento importante na vida dos que viviam em Campo Maior. Minha avó materna era de um entusiasmo total pelo São Mateus. Muitos dias antes já ela tinha começado os preparativos: apalavrando os carros para o transporte; comprando os enchidos; confeccionando os bolos; juntando ingredientes e condimentos para preparar as comidas.
Nós éramos dos que partíamos mais cedo e, muitas vezes, éramos também dos que mais tarde regressávamos. Na véspera da partida, começavam-se a juntar as coisas na sala de entrada da casa da minha avó: colchões, mantas, trouxas de roupas, cestos com loiças e outros com comidas, cadeiras desdobráveis, mesas desmontáveis.
            Abalávamos para o São Mateus, em tribo todos metidos nos carros de canudo que nos transportavam caminho da cidade. Com o carro do meu tio e mais dois que se alugavam, fazíamos um luzida caravana que cuidava de abalar cedo para ocupar os lugares que minha avó estrategicamente tinha escolhido como sendo os melhores. Chegados, armávamos o acampamento dispondo os carros à volta do espaço que seria o nosso habitat durante os dias de permanência na feira. Naqueles dias éramos um pouco ciganos.
A feira do São Mateus era o período de férias que anualmente nos eram concedidas. Permanecíamos cerca de oito dias acampados no Sítio da Piedade no meio dos olivais. Os bons negócios faziam-se com calma depois de passado o rebuliço dos três dias oficiais que devia durar a feira. Por isso, depois da feira acabada é que se concretizavam algumas compras como os “peros” ou maçãs cheirosas e doces que vinham do Algarve, as facas, os barros dos louceiros do Redondo e o “peixe-leitão”, uma espécie de cação seco, que se usava para cozinhar saborosas sopas de pão.
Feitas as compras organizava-se o regresso. Cansados dormitávamos ao embalo dos carros sabendo que, no próximo ano, estaríamos de volta àquele local.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00


Origens do S. Mateus ou Feira de Elvas

por Francisco Galego, em 18.09.09

 

Segundo os investigadores, a Feira de São Mateus remonta ao século XVI pois terá começado a funcionar entre 1525 e 1574. Cerca de duzentos anos mais tarde, veio associar-se-lhe uma peregrinação que se começou a fazer, a partir de 1737, no sítio onde, para assinalar um milagre, se construiu o santuário do Senhor Jesus da Piedade. Tanto a feira como a romaria ganharam grande importância entre as gentes do Alto Alentejo, tanto mais que a sua realização, coincidindo com o equinócio do Outono, marcava o período em que se dava por encerrado um ano agrícola e se começavam a tomar as disposições para o arranque do ano agrícola que se ia seguir. Alguns lavradores faziam do São Mateus a data de começo e fim dos seus contratos.
As pessoas, em grande parte as que estavam mais ligadas ao trabalho nos campos – aproveitando a romaria pela devoção, e a Feira de São Mateus por ser local de trocas muito necessárias às actividades agrícolas –, deslocavam-se a Elvas para aí permanecerem durante os dias que durava o evento. Os transportes eram, nesses tempos, difíceis e lentos. Em volta do terreno da feira, formavam-se grandes acampamentos de gente vinda de quase todas as terras desta região.
A Feira de São Mateus em Elvas e a Romaria ao Senhor da Piedade tiveram o seu período de maior esplendor entre meados do século XIX e meados do Século XX. No livro – O Senhor Jesus da Piedade de Elvas – publicado em 1965, o elvense Eurico Gama, retratou o ambiente que noutros tempos se vivia pelo São Mateus , na Feira de Elvas:
  Noite fora vai chegando gente dos mais variados locais. Vêm de Campo Maior e de Vila Boim, da Terrugem e de Santa Eulália, de Varche e de São Vicente, de Barbacena e de Vila Fernando. Sobre um talude que domina o Parque da Piedade, onde se efectua a feira, vão-se agrupando os carros, roda contra roda, varais ao alto, as bestas desaparelhadas e presas atrás, tasquinhando a erva. Os canudos das coberturas dos “churriões”, os tejadilhos planos das carrinhas, formam pequenas casas a que não faltam garridas cortinas de chita ou “cretone” formando portas graciosas. Para fora saem as cadeiras de fundo de buínho, os fogareiros de ferro, os tachos de barro, o farnel.
Nédias galinhas ainda vivas, atam-se às rodas dos carros, na mira de engordarem um pouco mais à custa de punhados de cevada que, guardadas ainda estão para matança do último jantar. Na frigideira de ferro estanhado fritam-se os bocados de coelho – o cocho frito – como lhe chamam, e um odor a um tempero esquisito e a saborosa banha de porco exala-se no ar. (…)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:00


Coisas que fui escrevendo XI

por Francisco Galego, em 15.09.09

 

Por gosto e por vocação fiz do estudo e do ensino da História o meu modo de vida. Mas o conhecimento da História não fez de mim um saudosista. Não choro o tempo que passou, nem exalto as suas “virtudes” perdidas. Eu sinto apenas uma imensa pena de já não poder viver o tempo que há-de vir pois tenho a convicção que ele será melhor do que o tempo que agora vivo. Parece-me ser esta a melhor e mais atilada maneira de entender as coisas importantes da vida.
É importante compreender o passado, pois o seu conhecimento ajuda-nos a entender como e porquê as coisas evoluíram num certo sentido. Mas a contemplação do passado tem qualquer coisa de mórbido que não nos deixa apreciar o lado bom da vida que nos cabe viver.
Todas as épocas tiveram os seus problemas e em todas elas isso foi motivo para alguns fazerem o choradinho de que “no meu tempo é que era bom”. O melhor e maior castigo que se lhes podia dar era fazê-los voltar a viver nesse tempo que só era bom porque é um tempo já passado. Por muito que por vezes nos pareça que não, o mundo vai evoluindo no sentido do seu progressivo aperfeiçoamento.
Tenho consciência dos problemas que, neste momento, preocupam e atormentam os meus filhos. As dificuldades que vivem e, sobretudo, as dificuldades que vêem os outros viverem. Mas se me ponho a comparar as minhas recordações com as suas vivências, acabamos por chegar à conclusão de que talvez as coisas não sejam tão más como, nos “bons velhos tempos”, foram.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:18


Coisas que fui escrevendo X

por Francisco Galego, em 10.09.09

 

O mundo mudou tanto no espaço de meio século que os homens e mulheres da geração a que eu pertenço, quando recordam o mundo da sua infância, constatam que esse mundo não existe mais. Meu pai nasceu e viveu num mundo muito semelhante àquele em que se pai e seu avô tinham vivido. Brincaram nos mesmos espaços e praticaram os mesmos jogos. Os jogos que eu próprio ainda conheci. Mas os meus filhos não tiveram já qualquer contacto com os jogos e brincadeiras que animaram a minha infância.
Nascido numa vila alentejana no início da última década da primeira metade do século vinte, o mundo da minha meninice era um mundo essencialmente rural. A população vivia, na sua quase totalidade, da agricultura e ocupava-se essencialmente no trabalho dos campos. A vila, embora tivesse rompido em vários sítios a cerca de muralhas a que a constrangera a sua função de praça de guerra, pouco tinha crescido nos últimos dois séculos. Todos se conheciam e, sobre cada um de nós, todos tinham amplas referências, bem como das famílias a que pertencíamos.
Por toda a vila as carroças e os apetrechos da agricultura eram uma presença constante. As carroças puxadas por burros ou por muares começavam a soar de manhã bem cedo ao saírem para os campos. Os automóveis contavam-se pelos dedos de uma só mão. Tractores, debulhadoras e outras máquinas agrícolas começaram a chegar já eu estava no fim da escola primária. Os candeeiros a petróleo eram a única fonte de luz da maior parte das casas. A electricidade era de fraca qualidade e muito atreita a avarias que por vezes deixavam a vila na mais negra escuridão durante dias seguidos; por vezes, semanas e meses.
Não falo de tudo isto por saudosismo. É uma tolice e uma grande hipocrisia falar dos “velhos tempos” como se dos bons tempos se tratasse. Os bons tempos são os do presente e os melhores tempos são provavelmente os do futuro que ainda estão para vir.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:16


Coisas que fui escrevendo IX

por Francisco Galego, em 05.09.09

Nasci aqui, em Campo Maior, vila raiana do Alto Alentejo, em plena Grande Guerra: a segunda, a de 1939 a 1945. Um conflito que envolveu homens de quase todas as nações e de todos os continentes. Pouco antes, do outro lado da fronteira, fora feito o ensaio geral, com a Guerra Civil de Espanha de 1936 a 1939. Ainda assisti aos efeitos tremendos dessa luta fratricida que dilacerou o povo espanhol, deixando um rasto de miséria que perdurou por muitos anos.

Comecei a tomar consciência das coisas da vida quando a vida era, de facto, muito difícil. Como tive a sorte de não ser dos menos afortunados, não sofri a tormentosa miséria em que vi crescer alguns dos meus companheiros. Tenho consciência plena de que, uma coisa é suportar a carência de quase todas as coisas necessárias a uma vida minimamente decente, outra é ter apenas de ver o sofrimento que essa carência impõe aos que a têm de sofrer.

A guerra é sempre um facto terrível. Mas esta, que estava em curso quando nasci, além dos aspectos tremendos de que se revestiu, teve a suprema importância de significar uma ruptura radical na evolução das sociedades humanas. Claro que as coisas não mudaram logo no tempo da guerra, tanto mais que não tivemos dela uma vivência directa. Mas os efeitos que ela implicou, desencadearam um processo acelerado de mudanças que não mais parou até aos dias de hoje.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:14


Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D