Terça-feira, 22 de Novembro de 2016

OS CONVENTOS FRANCISCANOS  DE SANTO ANTÓNIO  E DE S. FRANCISCO

“.... Frey Amador da Sylva, que fundou o convento de Santo António em Campo maior, por  Bula de Alexandre Sexto (Papa desde 1492 a 1503), em que lhe concede faculdade para fundar convento em qualquer parte de Portugal, passada no ano de 1493. E tinha por companheiro Frey Jorge de Payva, natural da mesma vila de Campo Maior e, por esta razão, findaram nela e não em outra parte. E o dito Frey Jorge de Payva foi guardião e no Breve se vê que eram sujeitos somente à Santa Sé Apostólica e que podiam tomar noviços e despedir frades e fazer tudo que bem lhes parecesse.”

 (Estêvão da Gama, p.106)

“… os religiosos de S. Francisco, no ano de 1645 … por se lhe ter demolido o seu convento, a respeito da nova fortificação que El-Rei D. João o 4º mandou fazer para defesa deste Povo, por ser a Praça de maior importância para protecção desta Província ... se acomodaram na Igreja do Castelo os religiosos, porque havia casas contíguas à Igreja de que fizeram celas e nela se mantiveram até ao ano de 1709, em que puderam ocupar o novo Convento que lhes mandou construir D. Pedro II).”

(Estêvão da Gama, p.51)

...“foi grande a violência das minas com que foi demolido o convento dos frades…(1645)”

(Estêvão da Gama, p. 107)

“ Há nesta vila um convento de frades de S. Francisco da Província dos Algarves. Do seu primeiro convento não há notícia certa do ano em que foi edificado. Porém, dizem, era dos melhores da Província, com uma grande cerca e fontes perenes, que ainda hoje se conserva uma com o nome de fonte dos frades[1]. Este convento se demoliu no ano de 1645, a respeito da nova fortificação desta Praça, que foi avaliado pelos engenheiros em sessenta e cinco mil cruzados. Os religiosos se acolheram à Igreja Matriz do Castelo, a qual se  alargou com mais algumas casas contíguas a ela, em que se enclausuraram e assistiram até ao ano de 1709 em que mudaram para o convento novo que, por ordem de D. Pedro o 2º, se edificou por conta da dívida e quantia em que o outro foi avaliado.

            ( O novo convento...) é todo de abóbadas, sem que tenha outra madeira mais que as das portas e janelas. Tem todas as oficinas acabadas e só lhe falta a Igreja para a qual S. Majestade, que Deus guarde, lhe fez mercê de lhe dar uma consignação anual de seiscentos mil réis até que se aperfeiçoasse de todo o dito Convento. Ele está situado na parte mais eminente da Vila, junto ao Baluarte de S. Sebastião, tem cómodo para vinte frades e tem bastante cerca.”

(Estêvão da Gama, p. 61 e 62)

 “No Convento de S. Francisco, que havia muitos anos se achava sem Igreja, esta se tinha feito pelo cuidado do guardião, o padre Frey Fellipe de Santiago que, com esmolas e a sua grande aplicação, a tinha acabado no ano passado (1731).

 (Com a explosão de1732) “Arruinou-se o Convento de S. Francisco, mas não caiu a sua Igreja. Apenas o frontispício dela, algumas celas e a cerca, padeceram grande estrago.”

A Igreja do Convento e a sua cerca constituíram, durante mais de cento e cinquenta anos, um dos lugares de enterramento dos moradores da terra, tornando-se, a partir do século XVII, no maior cemitério da vila.

(Estêvão da Gama, p.s 136 e 138)

-----------------------------------------------

[1] Que depois deu origem à Fonte das Negras.

 



publicado por Francisco Galego às 00:06
Aqui se transcrevem textos, documentos e notícias que se referem à vida em Campo Maior ao longo dos tempos
mais sobre mim
Novembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

14
15
17
18

20
21
23
24
26

27
29
30


arquivos
pesquisar neste blog
 
Visitas
blogs SAPO