Sexta-feira, 19 de Setembro de 2014

Tempos houve em que cada povoação tinha as suas próprias festas e romarias. Mas, algumas delas, por motivos religiosos, ou pelo brilho das suas realizações, atraíam gente de outras terras, tornando-se famosas como locais de trocas, de diversão e de peregrinação.

No Alto Alentejo, sobressaía entre todas a Feira de São Mateus, em Elvas. A Feira de São Mateus remonta ao século XVI pois, segundo os investigadores, terá começado a funcionar entre 1525 e 1574. Cerca de duzentos anos mais tarde, veio associar-se-lhe uma peregrinação que, a partir de 1737, se começou a fazer no sítio onde se construiu o santuário do Senhor Jesus da Piedade. Tanto a feira como a romaria ganharam grande importância entre as gentes do Alto Alentejo, tanto mais que a sua realização, coincidindo com o equinócio do Outono, marcava o período em que se dava por encerrado um ano agrícola e se começavam a tomar as disposições para o arranque do ano agrícola que se ia seguir.

As pessoas, em grande parte as que estavam mais ligadas ao trabalho nos campos – aproveitando a romaria pela devoção, e a Feira de São Mateus por ser local de trocas muito necessárias às actividades agrícolas, deslocavam-se a Elvas para aí permanecerem durante os três dias que durava o evento. Os transportes eram, nesses tempos, difíceis e lentos. Em volta do terreno da feira, formavam-se grandes acampamentos de gente vinda de quase todas as terras desta região.

Para além da grande diversidade de gentes que acorria a este evento, alguns vindo de terras bem distantes, é interessante constatar que, entre essas terras, tomavam relevo as gentes de Olivença, o que indica que eram ainda muito fortes os laços culturais que ligavam os oliventinos a Portugal.

A Feira de São Mateus em Elvas e a Romaria ao Senhor da Piedade tiveram o seu período de maior esplendor entre meados do século XIX e meados do Século XX.

 

In, "Campo Maior - Cantar e Bailar as Saias", 2006.



publicado por Francisco Galego às 10:13
Terça-feira, 10 de Abril de 2007
 

            A  comemoração da Páscoa, tradição multicentenária, sofreu na minha terra mudanças significativas ao longo dos últimos cinquenta anos. Pouco sobreviveu do que ainda recordo dos meus tempos de infância. Nesse tempo, o essencial da comemoração da Páscoa passava mais pelas manifestações de culto, sobretudo as várias procissões que se realizavam: a do Senhor dos Passos, a de Nossa Senhora das Dores, a de Domingo de Ramos e a do Senhor Morto.

Lembro-me do costume de se cobrirem de ramos e flores as calçadas das ruas frente aos Passos, do esmero com que cada Passo era ornamentado, havendo até um certo despique para cada um ser o mais bonito e da peregrinação que as famílias faziam na visitação das Igrejas e dos Passos que estavam ornamentados e iluminados a preceito.

Também recordo o costume de não se consumir qualquer espécie de carnes em todas as Sextas-feiras da Quaresma. 

 Nessa época as procissões eram espectaculares. Sobretudo a do Senhor dos Passos que incluía o Encontro no Terreiro. A imagem do Senhor, carregando a pesada cruz, percorria a via-sacra da visitação dos Passos. Regressando pelo Terreiro, encontrava-se com as imagens de São João Evangelista e de Nossa Senhora das Dores que, saindo da Matriz e descendo pela Rua Estreita, tinham vindo ao seu encontro. Começava então o sermão perante as três imagens santas reunidas a meio do largo. Este era feito por pregador de renome convidado especificamente para esse efeito. Alguns desses pregadores atingiam uma tal efeito dramático com as suas prédicas que conseguiam comover profundamente a audiência que os escutava em profundo silêncio. Havia os que eram precedidos de tal fama que, quando se sabia que vinham, atraíam tal assistência que, o acanhado espaço do Terreiro não dava para conter tanta gente. A prédica era proferida a partir de uma janela da casa da família Carrilho.  

            Para a rapaziada, a comemoração da Páscoa começava verdadeiramente no Sábado de Aleluia. Começavam por se juntarem no Largo da Matriz, cada um munido dos chocalhos que podiam ter recolhido para o efeito. Esperava-se com impaciência que os sinos da igreja anunciassem a Ressurreição. Partia-se então, qual revoada de passarada louca, percorrendo as ruas da vila para chocalhar furiosamente em frente às casas das lojas até que o comerciante, que já estava previamente preparado, lançava sobre aquele bando ávido, as mais diversas guloseimas em que predominavam os rebuçados, as amêndoas e os confeitos. Os adultos divertiam-se a verem as autênticas batalhas que se travavam entre eles tratando cada qual de recolher o maior número de doces possível.

            Mas a festa acontecia verdadeiramente no Domingo de Páscoa. A maioria das pessoas vestiam os seus trajes domingueiros e iam em passeio até à Ermida de São Joãozinho comer o folar. A banda dava concerto, improvisavam-se bailes, namoriscava-se. Havia famílias que iam até às quintas e às hortas. Enfim, se o tempo era favorável, aproveitava-se para um passeio no campo. Mas, a festa da Páscoa era em grande parte também uma festa de sabores: o ensopado e o assado de borrego, o arroz de miúdos, os bolos amassados, os merengues, as broinhas, faziam as delícias de crianças e adultos.

            Infelizmente eram tempos de grandes dificuldades para grande parte das famílias. Tempo de tremendas guerras, tempo de grandes misérias. Nem todos tinham acesso a tais iguarias. Mas, cada um, de acordo com as suas posses, procurava ter “rancho melhorado” e, ainda que pouco, o borrego era a base dos comeres nesta celebração.

 

            Nos anos 50 do século passado, as coisas começaram a mudar. A emigração, tanto interna como para o estrangeiro, provocou grandes mudanças na sociedade campomaiorense. Foi por essa altura que se começou a generalizar o hábito das famílias se deslocaram para junto dos rios para, em conjunto, celebrarem a Páscoa. Primeiramente em grupos pequenos, partiam em carroças no Domingo de Páscoa ainda quando o sol mal começara a raiar e regressavam ao cair da tarde. Quem tinha familiares num monte ou num moinho à beira-rio podia arriscar-se a permanências de mais de um dia. Mas o tempo era ainda muito incerto e não havia os recursos “campistas” que existem hoje para se acampar em qualquer lugar. Além disso, as pessoas, nesse tempo, gostavam ainda de guardar recato e, por isso, escolhiam lugares onde pudessem estar com alguma privacidade. Assim, o mais normal era que fossem muitos os lugares para onde as famílias se deslocavam para celebrar a Páscoa.

            Lembro-me de a Ermida de Nossa Senhora da Enxara ser um lugar ermo, abandonado e em tal estado de degradação que as suas dependências serviam para recolha de gado. Depois começou a ser escolhida por grupos de homens que aí se juntavam para acamaradarem em alegre convívio. Lentamente começaram a aparecer as famílias até que, por volta dos anos 60, se transformou no lugar de romaria que é nos dias correntes.

A beleza do lugar, a facilidade do acesso para o crescente número de automóveis que foram surgindo, a recuperação de antigos actos de culto religioso, o aperfeiçoamento dos recursos para acampamentos, tudo se conjugou para que tão rapidamente se tornasse na maior romaria em que actualmente participam os campomaiorenses.

As autoridades locais, entendendo as mudanças operadas na sociedade, fizeram a oportuna mudança do feriado municipal de 28 de Outubro, data anterior em celebração de um acontecimento que já não tinha qualquer significado para os campomaiorenses, para a segunda-feira depois do Domingo de Páscoa, criando assim a possibilidade de uma curtas férias neste fim-de-semana alongado no início da Primavera. Escolha acertada pois que, além do mais, permite aos que vivem fora da vila da sua origem, virem participar nesta celebração com os seus familiares.

            Com alguma surpresa fui assistindo a esta grande celebração pagã em que transformou a Festa da Enxara. Espero que o termo “pagã” não provoque surpresa ou revolta porque, é evidente para qualquer pessoa de claro juízo que, apesar do período e do nome do lugar em que a festa se realiza, as questões religiosas funcionam apenas como mero pretexto. Embora a festa comece e acabe com procissões, é claro que esses actos de culto têm uma função simbólica mais cerimonial do que religiosa.

A Enxara cresceu tanto que sufocou completamente a romaria ao São Mateus em que participavam massivamente os campomaiorenses. Se a Feira de Elvas foi a grande celebração dos campomaiorenses nos tempos passados em que esta vila era habitada por uma comunidade essencialmente rural, a Páscoa é a celebração desta nova comunidade de gente urbana em que se tornou Campo Maior.

Confesso que recordo com alguma saudade os tempos de outrora. Mas, porque tenho de tentar ser lúcido e racionalizar as mudanças, tenho de compreender que elas decorreram de um processo de transformação para uma sociedade melhor porque mais justa, mais igualitária e propiciadora de melhores condições de vida para um maior número de pessoas.

Felizmente vão longe os tempos da sociedade elitista e segregadora em que tive de crescer. Seria insuportável voltar a assistir ao inaceitável espectáculo da miséria e da opressão em que decorreram a minha infância e a minha juventude.

Mas há aspectos na massificação em que decorre actualmente a celebração da Páscoa que não despertam o meu entusiasmo. Só com muito esforço consigo suportar a, para mim, infernal barulheira dos altos ruídos produzidos pelas aparelhagens dos carrocéis e tendas de negócios vários que rodeiam a simpática Ermida de Nossa Senhora da Enxara. Mas tenho que aceitar que, geralmente, o que se ganha em quantidade implica que haja algumas perdas quanto à qualidade. E, ninguém me obriga a celebrar a Páscoa na Enxara. Há ainda muitos lugares à beira-rio onde poderei estar a meu gosto celebrando o que eu quiser, com quem quiser e à minha maneira.

Que direito tenho de censurar um acontecimento que tanto prazer e contentamento provoca nos meus conterrâneos?



publicado por Francisco Galego às 13:40
Aqui se transcrevem textos, documentos e notícias que se referem à vida em Campo Maior ao longo dos tempos
mais sobre mim
Dezembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


arquivos
pesquisar neste blog
 
Visitas
blogs SAPO