Domingo, 04 de Dezembro de 2016

O estado actual do conhecimento sobre este sítio arqueológico:

O Monte de S. Salvador, zona de habitação e capela privada, situa-se numa pequena elevação na margem direita do Rio Xévora e a cerca de 2 km da fronteira com Espanha. A leitura do processo do IGESPAR permitiu perceber que três zonas de escavação foram abertas: na zona 1, junto à capela, as estruturas da "pars urbana"(1); a zona 2, mais a Sul, que corresponde à continuação da "pars urbana" com tanques em opus signinum (2); a zona 3, mais a Norte, do outro lado da casa do guarda do Monte, uma área funerária.

A villa romana situa-se sob a actual capela do monte, estendendo-se para sudeste, parte tendo já ruído para dentro do rio. A "pars urbana" é constituída por vários compartimentos pavimentados com mosaicos geométricos policromos, distribuídos à volta de um peristilo (3). Esta villa teve várias fases de ocupação, visíveis nos remendos dos mosaicos, nas remodelações das salas, revelando assim uma ocupação de longa duração.

As termas foram encontradas mais a norte, frente à casa do guarda do Monte, aquando de umas obras, mas nunca foram escavadas. A algumas dezenas de metros, a Norte das termas, atrás da casa do guarda do Monte, foram encontradas, adossadas a estruturais murais, quatro sepulturas com características tardias.

Este sítio chamou- nos a atenção por dois motivos: a sobreposição de “uma capela que assenta sobre a abside (4) duma outra construção que poderá corresponder a um possível templo romano ou paleocristão” (Dias, 1988) assim como a presença de sepulturas tardias. Apesar de o material nunca ter sido publicado, as descrições deste nos relatórios apontam para uma datação da villa entre os séculos III e IV d.C. Uma vez que se têm operado vários remendos nos mosaicos assim com reestruturações dos compartimentos, acreditamos que a ocupação se tenha prolongado durante várias décadas ou séculos. A localização da capela sobre uma estrutura em abside não significa que estejamos forçosamente perante uma igreja paleocristã, no entanto o facto de a igreja ter o portal descentrado relativamente à capela-mor pode revelar uma planta condicionada por uma construção anterior de certa importância.

Não longe das termas encontravam-se quatro sepulturas de características cristãs: orientadas E-W, que apresentam planta rectangular:

- A sepultura I era construída com grandes blocos de pedra e tijolos, a cobertura também era constituída por tijolos, o interior forneceu apenas uma pequena bilha de bocal trilobado. Não foi possível estudar esta peça mas a arqueóloga responsável propõe uma datação tardia;

- A sepultura II tinha planta rectangular, as suas paredes e cobertura eram em tijolo;

- Da sepultura III eram apenas visíveis alguns tijolos da cobertura;

- Da sepultura IV que estava já destruída, só foi identificado um alinhamento de tijolos, podendo ser uma sepultura de criança.

Estas sepulturas eram adossadas e tinham sido cortadas por um muro (identificado com muro N1) o que pressupõe que este seria posterior; talvez contemporâneo da igreja? Infelizmente pouco se pode dizer acerca desta villa, a não ser que tem características tardias, podendo ter sido ocupada durante o período visigótico. Os indivíduos lá sepultados já seguiam o ritual cristão da orientação dos túmulos e um deles tinha uma bilha trilobada, como encontramos nas sepulturas de Santo Amarinho da Boa Morte (Castelo de Vide) ou de Silveirona. Tal como em outros sítios do Alto Alentejo, as sepulturas tardias encontram-se perto ou sobre as termas em desuso (Alter do Chão, Herdade dos Pombais no Marvão).

Aqui as escavações não foram suficientes para perceber a que estrutura o muro N1 pertence. Provavelmente é já medieval, mas a área de dispersão das sepulturas é muito próxima de onde foram descobertos os arcos do hipocausto (5) das termas.

(1) Zona residencial; em contraposição, a "pars rustica" era a zona da exploração agrícola. Este tipo de organização das "Villae" romanas aponta para a origem romana do "Monte" alentejano. 

(2) "Opus signinum": era o material de construção usado pelos romanos que consistia em misturar argamassa com pedaços de telhas partidas.

(3) Alpendrada sustentada por colunas que rodeava o edifício.

(4) Estrutura abobadada.

(5) Estrutura subterrânea das termas romanas.

 

In, Mélanie Wolfram, A cristianização do mundo rural no sul da Lusitania.Tese de doutoramento defendida na Faculdade de Letras de Lisboa, em 2011. Anexo 1, pág. 144.



publicado por Francisco Galego às 00:05
Aqui se transcrevem textos, documentos e notícias que se referem à vida em Campo Maior ao longo dos tempos
mais sobre mim
Dezembro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

12
14
16

18
19
21
23

26
27
28
29
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
Visitas
blogs SAPO