Quarta-feira, 06 de Janeiro de 2016

Aqui ao lado, os vizinhos espanhóis comemoraram “Los Reyes”. Foi o grande dia de troca de presentes. De certo modo, aquilo que nós fazemos no Natal.

Natal, Ano Novo, Dia dos Reis. Dias de renovação e de esperança.

Na rádio, o locutor acaba de dizer “Utopia”, esclarecendo que significa literalmento “não local”. Na verdade, usa-se para significar que se trata de algo que, não estando em nenhum local, é algo que não existe. Mas, é também muito verdade que o sentido mais frequente que lhe é dado, é de algo que não existe, mas que se deseja alcançar. Ou seja, a utopia é sonho e aspiração, é desejo e projecto para melhorar o estado das coisas ou a situação que se vive.

A “Utopia” aparece no pensamento de filósofos e poetas, como futuro imaginado, esperança de algo que resolva os problemas do presente.

Por isso, esta evocação levou-me a pensar que um dos problemas deste presente é que tenha deixado de existir o consolo dos projectos utópicos que alimentem a esperança. Pensando bem, vive-se sem modelo orientador. Uns vivem movidos pela ambição. Outros conformados, tentando garantir a melhor maneira de sobreviverem. O pensamento vai dando lugar ao entretenimento. A acomodação conformada vai ocupando o lugar que devia ser o da persistência.

Tenho consciência de que há nisto um pessimismo demasiado radical. Enfim... Trata-se apenas de um desabafo, fruto de um crescente desencanto.



publicado por Francisco Galego às 09:53
Aqui se transcrevem textos, documentos e notícias que se referem à vida em Campo Maior ao longo dos tempos
mais sobre mim
Janeiro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13

17
18
21
23

26
27
30



arquivos
pesquisar neste blog
 
Visitas
blogs SAPO