Segunda-feira, 24 de Outubro de 2016

 

            “É Campo Maior uma das praças mais importantes da Província do Alentejo fronteira de Badajoz, sem que, entre uma ou outra, haja rio ou serra que possam impedir as operações de cavalaria. É fronteira a Albuquerque que é a segunda praça da Província da Estremadura.”  (Estêvão da Gama, p. 80)

            “É esta Vila fortificada ao moderno, como uma das praças principais das fronteiras.

O seu recinto se ocupa com o Baluarte de S. João e o de Santa Cruz, entre os quais os fossos que lhe correspondem  são cheios de água, a que chamam o Lago e o Laguinho. Têm estes muita tenca e excelentes pardelhas. Conservam-se todo o ano com abundância de água que recebem do ribeiro da Fonte Nova . Ao Baluarte de S. Cruz se segue uma cortina muito grande e, no remate dela fica-lhe, a cavaleiro, o meio baluarte que chamam do Curral dos Coelhos. A este se segue o que chamam de Lisboa e a ele o baluarte de S. Sebastião entre os quais está a porta da Vila que chamam de Santa Maria. Segue-se o Baluarte da Boa Vista, a este o meio Baluarte de Santa Rosa, que de novo se fabrica, a ele o Baluarte de São Francisco, o Baluarte da Fonte do Concelho e o Baluarte do Picha Torta, cuja cortina fecha a Praça no Baluarte de S. João e nela está situada a porta principal que chamam de S. Pedro.

Tem excelentes fossos, bastantes esplanadas, estradas encobertas e, em algumas partes, contra escarpas.

Tem seis revelins, dois fortes, o principal se chama de S. João para a parte do nascente, o outro do Cachimbo, para a parte do meio-dia. E, porque há outra narração que lhe dá diferentes sítios, se põem estes que são os verdadeiros.

Esta fortificação principiou-a D. João IV e a têm continuado a Rainha D. Luísa, El-Rei D. Afonso VI, El-Rei D. Pedro II e El-Rei D. João V que Deus guarde.

Mas, sem embargo de não estar acabada e ter muitas imperfeições, resistiu ao Sítio que lhe moveram os castelhanos em 27 de Setembro de 1712, governando aquele exército o Marquês de Bay e as nossas armas Pedro de Mascarenhas e a Praça, Estêvão da Gama de Moura e Azevedo.”

 

In, Estêvão da Gama de Moura e Azevedo - Notícias da antiguidade, aumento e estado presente da Villa de Campo Maior tiradas de autores, papéis autênticos e tradições antigas e conservadas na memória de seus naturais,



publicado por Francisco Galego às 00:07
Aqui se transcrevem textos, documentos e notícias que se referem à vida em Campo Maior ao longo dos tempos
mais sobre mim
Outubro 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14

16
17
19
20
22

23
25
26
27
29

30
31


arquivos
pesquisar neste blog
 
Visitas
blogs SAPO