Sábado, 31 de Março de 2012

Muitas destas cantigas de escarnecer tomavam a forma de cantar ao desafio. Embora o desafio fosse, quase sempre, uma forma de namorados dialogarem ou de dois homens esgrimirem a sua habilidade de cantadores.

Um exemplo contado pelos mais antigos, é o deste caso de despique entre homem e mulher, que começa com meias palavras e subentendidos e acaba com ditos e palavras bastante desbragadas:

 

 

- Estes rapazes d’agora,

Todos postos em fileira;

Parecem novilhos bravos,

Quando vão p’ra sementeira.

 

- Usas cabelo enrolado,

Tens corpo de bailarina;

Se eu sou novilho bravo,

Tu és a vaca torina.

 

- Cala-te aí piolhoso,

Segue a tua triste sorte;

Que nos pegas os piolhos,

Se o vento virar p’ra norte.

 

- Chamaste-me piolhoso,

Será porque já os viste;

Foste tu que mos pegaste,

Quando comigo dormiste.

 

Por vezes, numa simples quadra fazia-se a mais certeira e cruel das caricaturas. Estas que se seguem, tudo indica poderem remontar ao século XIX, pois, algumas delas, ridicularizam figuras muito populares em Campo Maior naquele tempo:

 

Uma velha muito velha,

Mais velha que o Catapum,

Punha-se a catar cagáteas,

Na regadeira do cú.

 

Todos falam no Conrau,

E é caso p’ra se falar,

Deixou a enxada em casa,

Sabendo que ia cavar. [1]

 

A mulher do Ti’Borlinhas,[2]

Esteve todo o dia ao sol;

Apanhando caganitas,

Julgando qu’era cerol.

 

Chamaste-me coça o cu,

À porta da rapariga;

Fiquei sendo o coça o cu,

P’ro resto da minha vida.

 

Chamaste-me pouca roupa,

Tu tens muita, é teu proveito;

Menos tenho que despir,

À noite quando me deito.

                                                       

 

Pus-me a cagar de joelhos,

P’ra não sujar o capote;

Escorreguei, caí de caras,

Fiquei c’um grande bigote.

 

Mas que lindos olhos tem,

Aquela “filha da puta”;

Os peitos são melancias,

Tudo o resto é boa fruta.[3]

 

 

Alto lá, tenha lá mão,

Que ninguém o escandaliza;

Toda a sua geração,

Alça a perna quando mija.

 

Relevemos a crueza da linguagem utilizada em algumas destas composições, procurando compreender que estas situações se inseriam num tempo em que, a maioria dos portugueses, viviam ainda em pequenas comunidades, muito isoladas e, por isso, quase auto-suficientes, sendo a sua população, na quase totalidade, constituída por gente de pouca ilustração, que trabalhava a terra e dela tirava o seu sustento. Nessa época a educação escolar era privilégio de uma escassa minoria.

Por outro lado, nesses povoados essencialmente rurais fossem eles cidades, vilas ou aldeias, quase todos se conheciam. Entre eles o grau de intimidade e de liberdade de expressão poderia ser muito grande, permitindo abusos de linguagem inadmissíveis noutros estratos sociais.

A sociedade estava compartimentada de forma de tal modo estanque que, entre os diversos estratos quase não havia comunicação. As elites locais, mais endinheiradas e mais instruídas, muito reduzidas em número, viviam completamente à margem do povo, ignorando e desprezando qualquer manifestação da sua cultura e das suas tradições. Isso fica bem documentado quando procuramos recolher informações em documentos escritos: as informações são escassas nos livros e nos jornais. A cultura escrita era feita pelos senhores, sobre os senhores e para os senhores.

O povo, que não sabia ler, produzia uma cultura basicamente oral. Daí que, para a estudarmos, temos que recorrer a testemunhos orais, os únicos vestígios que restam da antiga cultura popular. São raras as obras escritas que se dedicaram ao seu estudo e preservação, embora algumas delas sejam verdadeiramente geniais, como as obras de carácter etnográfico, sobretudo os cancioneiros populares, de José Leite de Vasconcelos (1858-1941) e, a nível mais regional, a monumental recolha e compilação feita pelo elvense António Thomaz Pires (1850-1913), que chegou a publicar mais de 10 mil quadras populares. No jornal A Sentinella da Fronteira que existiu em Elvas entre 1881 e 1891, publicou cerca de um milhar de quadras recolhidas no Alto Alentejo. Essa publicação aparecia titulada como – Poesia Popular Portugueza – Cantos Populares do Alemtejo – Recolhidos da tradição oral por António Thomaz Pires.



[1] Esta cantiga é da autoria do poeta popular campomaiorense Joaquim António Mota, que viveu no século XIX, cuja biografia feita por João Pessoa foi publicada em 1957 no jornal eborense Democracia do Sul, sob o titulo “Campo Maior – Galeria de Figuras nº XXII”.

[2] O Ti’Borlinhas tinha um comércio e uma oficina de sapateiro aos Cantos de Baixo na duas primeiras portas da “rua das Pereiras”, no prédio que fazia esquina com a “rua de Ramires”.

[3] Numa carta de Aníbal Fernandes Tomás para António Tomás Pires, datada de Lisboa, 15 de Novembro de 1906, está transcrita uma quadra muito semelhante:

                                                               Ó que lindos olhos tendes,

                                                               Olhem a filha da puta;

                                                               Com melancias no peito,

                                                               Dizendo: Quem compra fruta?

 

 




publicado por Francisco Galego às 18:50
Aqui se transcrevem textos, documentos e notícias que se referem à vida em Campo Maior ao longo dos tempos
mais sobre mim
Março 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
20
21
22
23
24

26
27
28
29
30


arquivos
pesquisar neste blog
 
Visitas
blogs SAPO