Sábado, 06 de Agosto de 2011

 

            Sobre as Festas de 1964, o Linhas de Elvas da primeira semana de Setembro, escrevia: Não há dúvida de que só uma grande força de vontade e um acrisolado amor à sua terra, levou os campomaiorenses a pensarem na realização das Festas do Povo, numa altura de certo modo difícil para todos.

            Por este motivo e, ainda que com sacrifício, não devemos negar-lhes a nossa colaboração, pela coragem e bairrismo que demonstraram, ao meterem ombros a uma iniciativa de tal amplitude.

            As festas de 1964 tiveram como iniciativa mais em destaque, a organização de grandes espectáculos capazes de interessarem e atraírem os vizinhos do lado de lá da fronteira. Pela primeira vez, o dia 7, Domingo, principal dia das festas, era dedicado á Espanha.

            Mantendo o esquema tradicional houve as festas de igreja, com Missa Solene e Procissão com as Imagens dos Padroeiros, alvoradas e arruadas com bandas de música e morteiros, bailes e descantes populares, concertos no Jardim Público. O programa oficial das festas privilegiou as touradas que começaram com duas grandes corridas nos dias da Feira de Agosto e continuaram com mais uma em cada um dos três primeiros dias das Festas. Mas, nestas touradas, o antigo sistema tradicional à vara larga, desapareceu para dar lugar à apresentação de alguns dos mais famosos toureiros da época em Portugal e Espanha, como os cavaleiros D. José de Atayde, José Maldonado Cortes e Frederico Cunha, os espadas José Trincheira, José Manuel Pinto e Sérgio Gozano, os forcados do Grupo de Amadores de Évora e dos Amadores Académicos de Lisboa.

            Nos espectáculos de variedades actuaram algumas das figuras destacadas do cançonetismo nacional e artistas vindos de Espanha. Para cada um destes espectáculos foram criados cartazes para afixação em paredes, atractivos, de boa qualidade e em quantidade que indica serem destinados a divulgação fora de Campo Maior.

            Pela primeira vez, um dos dias, precisamente o Domingo, dia principal das festas, foi programado como Dia dedicado a Espanha tendo, por isso, o espectáculo de variedades sido organizado com artistas espanhóis. O facto de a representação oficiosa espanhola ter incluído personalidades como o Governador da Província da Estremadura, o Alcaide de Badajoz, o Delegado Provincial de Turismo e um enviado da Televisão Espanhola, mostra que o objectivo terá sido atingido. As Festas começavam a sua expansão para além área tradicional que se limitava aos concelhos de Campo Maior e Elvas com esporádicas influências nas áreas de Arronches, Portalegre, Castelo de Vide, Estremoz e Évora.

            No programa oficial, à imagem do que já tinha acontecido em 1957, nota-se a importância crescente da publicidade, com a cada vez maior presença de empresas de torrefacção de cafés, e um número considerável de empresas de fora, nomeadamente, Elvas, Portalegre e Lisboa.

            No relatório final apresentado pela Comissão de Festas, as receitas foram no valor aproximado de 173 contos, sendo a despesa no valor aproximado de 170 contos. Logo, a expectativa de lucro que deveria beneficiar a construção do edifício para o Colégio de S. João, saiu gorada. A Comissão entende por isso, dever chamar a atenção para aspectos negativos a corrigir no futuro. Por exemplo, atendendo à falta de um recinto próprio… as corridas de toiros são de dispensar em futuras festas dado serem um espectáculo muito caro e porque, nas presentes condições, a construção da praça provisória obriga ao dispêndio de alguma dezenas de contos, bastando para tanto dizer que o prejuízo atingiu uma verba de cerca de 18 contos.



publicado por Francisco Galego às 18:34
Aqui se transcrevem textos, documentos e notícias que se referem à vida em Campo Maior ao longo dos tempos
mais sobre mim
Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
12
13

14
15
17
18
19
20

22
24
25
27

29


arquivos
pesquisar neste blog
 
Visitas
blogs SAPO