Sábado, 12 de Fevereiro de 2011

Diário d’Elvas, Ano II, nº 353, 5ª - feira, 30 de Agosto  de 1894, p.1

Campo Maior

Começaram na segunda-feira no teatro desta vila os ensaios das duas filarmónicas – Progressista e Regeneradora – para juntas tocarem nas festas que se devem realizar nesta vila, nos dias 1 a 4 do próximo mês de Setembro. (...)

 

O sr. Governador militar proibiu que fossem cortados das muralhas e esplanadas eucaliptos, evitando assim o abuso cometido o ano passado com uns cortes que efectuaram alguns indivíduos, servindo-se deles, segundo ouvi dizer, para mastros.

A câmara municipal desta vila proibiu que nas ruas 13 de Dezembro, Direita da Comissão, Cantos de Baixo e Alagoa se abrissem buracos. Estas ruas estão todas calçadas de novo.

O sr. Garriffo Lourenço, do Hotel Italiano de Elvas, veio a esta vila arrendar uma casa para aqui vir instalar um restaurante, durante os dias de festas, tomando para esse fim uma boa casa na Rua da Carreira. É uma grande vantagem para os forasteiros, porque já têm a certeza de encontrarem comida boa com que possam refazer-se gostosamente.

 

Por esta altura, as festas de Campo Maior ainda mal se diferençavam de outras que, quase simultaneamente se iam realizando noutras localidades próximas com as que a 8 de Outubro se realizaram em Santa Eulália e que foram em parte estragadas pela chuva. Ou como as que se realizaram a 15 de Outubro na freguesia de Degolados.

Contudo, num aspecto as festas de Campo Maior começaram desde cedo a diferenciar-se: a preocupação com a ornamentação das ruas e praças, predominando de início o recurso a verduras como o bucho, o eucalipto, a murta e a vasos de plantas naturais.



publicado por Francisco Galego às 14:17
Aqui se transcrevem textos, documentos e notícias que se referem à vida em Campo Maior ao longo dos tempos
mais sobre mim
Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
17
18
19

21
22
23
25
26

27


arquivos
pesquisar neste blog
 
Visitas
blogs SAPO